pernambuco assuntos publicados

Levada sem direito de defesa

DSCF1236

Era manhã de sábado, dia 16 de fevereiro de 2013, na cidade de Chã de Alegria, localizada na Zona da Mata Norte de Pernambuco, quando Giovani decidiu ir à venda. Enquanto saía, ficaram em casa sua mulher, Elicleide, a filha com 18 dias de nascida, Giovana, e uma amiga da avó da criança, até então chamada de “Carla”. “Fiquei com uma coisa na minha cabeça, dizendo para eu não ir. Mesmo assim, achei que fosse besteira”, disse Giovani, que na época não imaginava que aquele pensamento seria apenas o começo de sua aflição.

Ao voltar, Giovani se deparou com a casa fechada e como não tinha trancado, achou estranho e resolveu forçar a porta para abrir...

Leia mais

Dois anos de incertezas

Irmão de Kamilly mostra a última foto tirada antes do desaparecimento

“Meu irmão ligou para o meu esposo e contou que a Kamilly havia saído e ainda não tinha voltado. Mas, eu só fiquei sabendo um dia depois. Foi aí que eu entrei em completo desespero”, relembra muito emocionada, Adriana Rodrigues, de 28 anos, mãe de Kamilly Rodrigues, desaparecida desde o dia 7 de junho de 2011. A menina, na época com oito anos, saiu com o marido da avó, Ricardo José das Neves, para buscar um suposto prêmio do jogo do bicho que ele teria ganhado e nunca mais voltou. Nem ela nem seu avôdrastro.

Bem antes do desaparecimento, Adriana Rodrigues, seu marido Werberson Trindade, de 38 anos, sua mãe Domícia Damiana da Silva e o padrasto Ricardo José das Neves, viviam no Bairro de Brasília Teimosa...

Leia mais

A união que fez a busca

Muito unida, a família de Cassiane também utilizou as redes sociais para divulgar o caso

Durante um dia a dona de casa Maria das Neves procurou sua filha, a estudante Cassiane Kalline, de 21 anos, pela cidade do Recife. A garota, que teve um surto devido a seu diagnóstico de esquizofrenia, havia saído de casa, como de costume, mas dessa vez não retornou logo em seguida. Sua mãe, no entanto, não estava sozinha durante o período de busca.

Junto com a avó, irmãos, tios, tias, primos e amigos de Cassiane, Maria das Neves percorreu cada canto da cidade espalhando cartazes, realizando patrulhas e, graças à operação montada de maneira familiar, Cassiane foi encontrada rapidamente.

Tudo começou no início da tarde do dia 3 de março de 2013. Cassiane Kalline acordou por volta das 13h disposta a ir até a praia...

Leia mais

O que fazer?


Como no Estado não existe uma delegacia centralizada para cuidar de casos de desaparecimento, os familiares precisam recorrer aos distritos locais do bairro onde o caso aconteceu para registrarem o Boletim de Ocorrência (B.O). No entanto, quando quem desaparece é uma criança ou adolescente, os responsáveis devem se dirigir a Gerência de Polícia da Criança e do Adolescente (GPCA), localizada na rua Benfica, bairro da Madalena. Nestes dois tipos de desaparecimento, os procedimentos tomados são os mesmos.

Ao contrário do que muitos pensam, não é necessário esperar 24 horas para registrar o desaparecimento. Esta política não existe desde 2005, quando foi acrescentada uma norma à Lei Federal 1.114/2012, que garante que a procura seja iniciada assim que a ocorrência for registrada...

Leia mais

GPCA: na luta pela busca de desaparecidos

DSCF1274

Kamilly estava com o marido da avó. Álvaro brincava na rua. Apesar de não se conhecerem, estas crianças têm um estigma em comum: são estatísticas registradas na Divisão de Desaparecidos da Gerência de Polícia da Criança e do Adolescente (GPCA). O setor é o único no Estado que trabalha diretamente com estes casos e têm registrado, neste ano, 82 ocorrências, sendo 18 delas não solucionadas até agora. Em 2012, foram um total de 259 registros, sendo 51 deles não solucionados neste mesmo ano.

Entre as principais causas de desaparecimento de crianças e adolescentes, que compreendem a faixa etária até os 17 anos, as mais comuns são relacionadas com fuga do lar, ou seja, envolvimento com drogas, meninas que querem namorar, mas os pais não permitem ou, até mesmo, a má estruturação...

Leia mais

Polícia possui deficiências administrativas

Apesar do trabalho contínuo realizado pela polícia para tentar localizar os desaparecidos do Estado, esta tarefa está longe de alcançar um modelo ideal de investigação. Em Pernambuco, não existe uma delegacia que cuida, especificamente, destes casos. O único setor do órgão que lida com ocorrências de desaparecimento de maneira direcionada é a Gerência de Polícia da Criança e do Adolescente (GPCA). Se o desaparecido não for uma criança ou adolescente, resta aos familiares procurar um distrito local do seu bairro

Esta descentralização é uma faca de dois gumes. De acordo com a delegada Gleide Ângelo, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil de Pernambuco, pedir para um familiar recorrer às delegacias locais pode ser positivo...

Leia mais