Pequenas empresas faturam alto com games no Brasil

image_pdfimage_print

O programa Pequenas Empresas Grandes Negócios exibido no domingo (17/02/13) veiculou uma reportagem sobre o mercado de jogos no Brasil, com foco especial nas pequenas e médias empresas (Start-ups).

Empresário Fernando Chamis fala de mercado de Advergames
Empresário Fernando Chamis fala de mercado de Advergames

Com fala de diversos empresários do ramos, a matéria diz que: “O Brasil ganha cada vez mais espaço no competitivo setor do mercado de games, considerado uma das tendências de bons negócios para 2013. Entre as apostas dos pequenos empresários, está o investimento no desenvolvimento de jogos eletrônicos e inovam para ganhar dinheiro com a produção de games para publicidade.”

 

Games em escala
Guilherme Tsubota também começou em casa e com pouco dinheiro. Investiu R$ 10 mil em dois computadores, dois celulares e licenças de softwares e começou a fazer jogos para videogames, computadores e smart phones.

“Começamos a trabalhar jogos simples, pequenos, coisa rápida de fazer e aos poucos fomos evoluindo”, diz o empresário Guilherme Tsubota. Em 2010, ele alugou um escritório e hoje tem oito funcionários e fatura vendendo jogos pela internet.

Outra ação essencial é fazer uma boa divulgação dos games. Guilherme investe, em média, R$ 15 mil por jogo em anúncios na internet e também atrai clientes com amostras grátis e depois vende adicionais dos jogos.

Jogo focado em animais de estimação da empresa de Guilherme Tsubota
Jogo focado em animais de estimação da empresa de Guilherme Tsubota

A empresa de Guilherme já desenvolveu 40 games, com mais de oito milhões de usuários. Com isso, ele não tem dúvidas de que este é um mercado que vai disparar nos próximos anos.

O consultor Nilson Hashizumi confirma que a procura por games é cada vez maior. Por um lado, o país tem hoje vinte e um milhões de smart phones, um mercado potencial para os jogos. Por outro, “as empresas estão buscando melhorar a experiência e o relacionamento com os seus clientes e por conta disso têm desenvolvido games a fim de fazer com que os consumidores possam cada vez mais se apropriar de suas respectivas marcas”.

Confira a matéria completa e o vídeo no link: PEGN

Deixe uma resposta