Publicações

Nosso Observatório pretende gerar uma série de publicações eletrônicas e um centro virtual de documentação sobre as religiões do Recife e os seus encontros/desencontros. Uma coleção de Livros está sendo editada para prestar contas dos primeiros anos de pesquisa da nossa equipe à comunidade acadêmica e à sociedade pernambucana. Abaixo compartilhamos também outros Livros que resultaram de pesquisas do nosso Grupo e alguns números de Revistas assumidos pelo Observatório, além dos Anais de Congressos onde se reuniu o nosso Grupo de Pesquisa Espiritualidades, Pluralidade e Diálogo.

 

– o –

.

12066028_916080788481603_1025278683801477179_nARAGÃO, G. e VICENTE, M. (Orgs.). Espiritualidades, transdisciplinaridade e diálogo – vol. 1 (e-book).

Recife: Observatório Transdisciplinar das Religiões no Recife, 2015.

.

Em suas quase duzentas páginas, a publicação partilha o trabalho do Grupo de Estudos do professor Gilbraz, apresentando os seguintes capítulos: Do transdisciplinar ao transreligioso, Fenômenos religiosos tradicionais (Pelas mãos das rezadeiras, Espiritualidade do caminho, Xamanismo no Brasil), Novas configurações da espiritualidade (Cristianismo e espiritualidade pós-metafísica, A expansão da Wicca, Mensagens da internet e novas vias espirituais, Religiosidade e novos mercados), Educação e diálogos espirituais (Diálogo inter-religioso nas escolas pernambucanas, Dançando com os orixás na escola pública, Ensino religioso e cultura audiovisual). Na conclusão, o livro apresenta ainda: Uma teologia transreligiosa e libertadora, Fé cristã e espiritualidade transreligiosa.

Leia ou baixe o livro integralmente por aqui.

 

BEZERRA, K. Wicca no Brasil: magia, adesão e permanência.

São Paulo: Fonte Editorial, 2017.

 

Este é um livro sobre a Wicca e trata, pois, do neopaganismo, da bruxaria. Falar de paganismo é, ao mesmo tempo, um exercício de desconstrução do imaginário cristão vigente em nosso mundo, que associou o habitante dos “pagus”, dos campos, com o praticante das religiões indígenas da Europa: “pagãos”, cultuadores das forças naturais. Falar de bruxaria, de rituais das sacerdotisas ou “feiticeiras” dessas religiões tradicionais ou primais, traz à nossa mente o velho dito popular castelhano, que dissimula o contexto inquisitorial onde não se devia acreditar em bruxas – embora se reconhecesse a sua força mágica para a cura e para o desenvolvimento pessoal. O livro A Wicca no Brasil, de Karina Bezerra, trata então dessas coisas, da recriação moderna do paganismo e da revoada de bruxas pelo Atlântico.

Leia o prefácio do livro por aqui.

 

VELOZO, M. Fé e vida: viva a boa vontade.

Recife: Edições Livro Rápido, 2017.

 

Os cristãos do Recife agradecem ao Grupo da Boa Vontade pela sua história, que deve fecundar outras, e agradecemos também à escriba desse relato, que tem sabor de história da salvação: uma narrativa de pessoas que se retiram do centro de suas vidas, colocando aí os outros que refletem os desejos de um Grande Outro. Pois bem, já sabíamos que ela era uma santa, pela convivência com Maristela Velozo no Liceu e na Universidade Católica de Pernambuco, onde colabora sem medidas para a educação das novas gerações do Recife. Mas, com este livro, descobrimos que a santidade dela tem raízes e antigas, em uma comunidade viva em que dá gosto ser cristão.

Leia a apresentação do livro por aqui.

 

ARAGÃO, G. Conversaciones sobre diversidad religiosa (III) – Espiritualidad, transdisciplinariedad y diálogo.

Bogotá: ODREC/USBBOG, 2016.

 

Téngase en cuenta que transdisciplinar y transreligioso son dos términos claves en la apuesta que hace el autor para fundamentar la lógica del tercero incluido. Para ello vale la pena remitirse a la Real Academia de la Lengua, para confrontar que se utiliza el prefijo trans cuando se quiere hacer referencia a una cosa que está ‘al otro lado de’ o ‘a través de’. En consecuencia, entiéndase rápidamente por transdisciplinar lo que está ‘a través de las disciplinas’ y por transreligioso, ‘a través de las religiones’. Finalmente, infiera el lector otras ideas que complementen el concepto, mientras de paso descubre porqué es posible afirmar que el principio del tercero incluido es también un fin común a todas las religiones.

Baixe a entrevista por aqui.

 

Scanner_20151029SOUZA, M. Teologia das e para além das religiões.

São Paulo: Associação de Ensino Metodista Livre, 2015.

 

O texto de Maruilson Souza começa lembrando os anseios por uma nova teologia, tanto da comunidade católica quanto da protestante, principalmente de quem vive nas fronteiras desse mundo pós-moderno e precisa encontrar palavras mais benditas para testemunhar a fé cristã em contextos culturalmente plurais. Depois ele apresenta a proposta da coleção “Pelos muitos caminhos de Deus”, destacando as suas convergências metodológicas e hermenêuticas, apontando as questões que ficaram em aberto dessa empreitada teológica. E, por fim, partindo de entrevistas esclarecedoras com os coordenadores da obra, apresenta algumas reflexões prospectivas e algumas balizas epistemológicas para o prosseguimento do projeto, que deve ser assumido por todo mundo que tenha boa vontade… e um pouco de coragem!

Leia a apresentação do livro por aqui.

 

capa do livro[1]AVELLAR, V. Internet e espiritualidade: o despertar através das mensagens de e-mail.

Rio de Janeiro: Calibán, 2010.

 

O pesquisador Valter Avellar, Mestre em Ciências da Religião pela UNICAP, busca entender neste livro o porquê de tantas pessoas se utilizarem do e-mail para divulgar mensagens de atitude positiva, valores, otimismo, sabedoria, espiritualidade e sentido da vida. O que as motivam e quais são os efeitos em suas vidas? Partindo da experiência de um grupo de troca de mensagens humanísticas e espirituais, o autor aborda alguns aspectos como a sociabilidade em rede, a propagação da fé, o diálogo inter-religioso e os efeitos terapêuticos. A internet, com efeito, modifica profundamente os hábitos culturais pelo mundo afora, desestabilizando todas as relações sociais pela democratização possível, do saber e do poder, que as redes livres de colaboradores vêm ensaiando em computadores interconectados. Quais as consequências desse processo para a compreensão da espiritualidade?

Veja o prefácio do livro por aqui.

 

– o –

 

Revista sobre Diálogos a partir das religiões

 

cover_issue_22_pt_BRO Observatório colaborou para a organização do v. 3, n. 6 (2012) da Revista Paralellus, que tem por tema “Diálogos a partir das religiões”, e cuja apresentação argumenta: a religião é intrínseca ao ser humano. Faz parte da cultura e do processo de construção da identidade de diversas civilizações ao longo do tempo, nos mais diversos espaços. No decorrer da história, muitos fizeram uso da religião na política, endossando incursões belicistas, embasando genocídios e dominações de todos os tipos, no campo privado e público. Além de servir a cada indivíduo enquanto instância de ligação com a divindade, ela pode, também, atender as demandas de um escopo maior, sendo usada na construção da diferença e legitimação dos poderes.

O século XX foi marcado pelo alvorecer das múltiplas identidades, baseadas em elementos de gêneros, etnias e lutas pelo meio-ambiente. Nesse processo, partindo de uma visão otimista do ser humano dentro dessas mudanças, apontamos que os caminhos para o diálogo cultural e religioso nunca foram tão amplos, bem como, de tamanha complexidade. Stuart Hall (2006) esclarece que as mudanças identitárias constroem sujeitos multifacetados, que lutam diariamente para mediar suas diversas identidades, em tempos de globalização.

As migrações e as trocas culturais através, principalmente, dos meios de comunicação, criam um sentido de proximidade entre os espaços do globo, fazendo com que, cada vez mais, se tenha acesso ao outro. Contraditoriamente, há um movimento de afastamento e os estranhamentos são mais frequentes, pois os sujeitos estão mergulhados no que Bauman (2004) chama de “amores líquidos”, em um individualismo e distanciamento interacional crescente. Mas o que isso teria a ver com a religião?

Nos dias hodiernos ficou tão acessível conhecer o outro; contudo, a xenofobia, os fundamentalismos e o preconceito cultural e religioso, têm aumentado e se misturado a crises políticas e econômicas. Deste modo, enfatizamos que o diálogo entre as religiões e, principalmente, entre os indivíduos de cada religião, mostra-se como um dos caminhos para apaziguar as tensões e gerar possibilidades para a solução dos problemas que afligem a humanidade…

Clique nos títulos para acessar os textos:

APRESENTAÇÃO

DIÁLOGOS A PARTIR DAS RELIGIÕES

Walter Valdevino do AMARAL

DOSSIÊ

ARTE DO MOVIMENTO E EXPRESSÃO NÃO VERBAL NO DIÁLOGO INTER-RELIGIOSO

Rogério Costa MIGLIORINI

A CIBERCULTURA E A RELIGIOSIDADE CATÓLICA: UMA LEITURA TRANSDISCIPLINAR DOS DESAFIOS E PARADOXOS DA NOVA CONFIGURAÇÃO DO SAGRADO EM AMBIENTE DIGITAL

Mariano Vicente da SILVA FILHO, Gilbraz de Souza ARAGÃO

CRISTIANISMO, ESPIRITISMO: POSSIBILIDADES DE DIÁLOGO CONTRA A INTOLERÂNCIA RELIGIOSA  

Cezar Augusto CERQUEIRA

A PROPOSTA DE GIANNI VATTIMO PARA UMA ESPIRITUALIDADE PÓS-METAFÍSICA  

Carlos Alberto Pinheiro VIEIRA

“ENTRE O SER E O NÃO SER”: TEOLOGIA ANTI-SACRIFICIAL E SACRIFÍCIOS NAS RELIGIÕES POPULARES  

Marcelo BARROS

 

– o –

 

Revista sobre As muitas faces de Deus

 

capa teo 2009 finalO nosso Observatório organizou uma publicação especial da Revista de Teologia e Ciências da Religião da UNICAP (ano VIII, 2009, n. 1, jan.jun.), como resultado de um Simpósio sobre “as múltiplas faces de Deus”. Tratou-se de um mutirão transdisciplinar e visando uma atitude transreligiosa. A tansdisciplinaridade, busca da realidade que está entre e além das disciplinas científicas, pode gerar uma atitude transreligiosa, que parte da experiência do sagrado ou divino e por isso não contradiz nenhuma tradição religiosa e envolve até as correntes ateias. Trata-se de favorecer o diálogo inter-religioso, pela percepção de uma experiência comum, entre e para além das religiões. Afinal, se as oito mil disciplinas que hoje povoam os corredores das nossas universidades precisam se comunicar, em vista da comum missão de compreender – e salvar – os fenômenos da vida, as dez mil religiões contadas no planeta precisam se entender um pouco sobre o significado da salvação que pregam.

A transdisciplinaridade engendra, pois, uma atitude transcultural e transreligiosa. A atitude transcultural designa a abertura de todas as culturas para aquilo que as atravessa e as ultrapassa, indicando que nenhuma cultura se constitui em um lugar privilegiado a partir do qual podemos julgar universalmente as outras culturas, como nenhuma religião pode ser a única verdadeira – mesmo que cada uma possa se experimentar como absolutamente verdadeira e universal. Em um mesmo nível de realidade, diferentes religiões seriam possivelmente antagônicas e excludentes, mas se considerarmos um outro nível ao menos, surge um “terceiro” que, incluído, as pode reconciliar. Trata-se da base antropológica que nos constitui a todos e exige uma atitude ética, ou daquilo que é mais humano no humano e também no cósmico – e por isso sagrado ou divino.

Os textos que apresentamos, como resultado das conferências dos amigos que debateram conosco, tratam dos “desafios do pluralismo religioso”. Talvez aí residam os maiores litígios da evangelização cristã nos dias de hoje, como ademais as grandes problemáticas para a paz em nosso mundo globalizado – que se reconhece plural em uma aldeia unificada, cada vez mais, pelas comunicações e pelo comércio. Pois então, enfrentando esta vertiginosa aventura, para redescobrir, com Nicolau de Cusa, que “Deus é a harmonia dos contrários”, de 11 a 13 de setembro de 2007 a Universidade Católica de Pernambuco recebeu mais de 150 cientistas e pesquisadores do fenômeno religioso, teólogos e professores de cultura religiosa, para o II Simpósio Internacional de Teologia e Ciências da Religião, sobre o tema “As Muitas Faces de Deus: Desafios do Pluralismo Religioso”.

Esse evento buscou projetar a pesquisa sobre as religiões realizada na UNICAP em um cenário mais amplo, sedimentando o seu pólo de estudos sobre Diálogo Intercultural e Inter-religioso e colaborando, assim, a partir da perspectiva latino-americana e transdisciplinar, para a reflexão sobre os desafios da pluralidade religiosa e do diálogo inter-religioso.

Clique nos títulos para acessar os textos:

INTRODUÇÃO
Prof. Dr. Gilbraz de Souza Aragão

TEMA I – DEUS, POR ENTRE CRISTIANISMOS E RELIGIÕES

O ROSTO POPULAR DE DEUS REFLETIDO NO CATOLICISMO BRASILEIRO
Prof. Dr. Pedro Rubens Ferreira Oliveira

FACES E INTERFACES DA SACRALIDADE NUM MUNDO SECULARIZADO
Profa. Dra. Maria Clara Lucchetti Bingemer

PARTE   II – TEMA DA PLURALIDADE CULTURAL

A CRISTIANIZAÇÃO DA POLÍTICA
Prof. Dr. Álvaro Cepeda van Houten (Colômbia)

O CORPO E A RELIGIÃO NO XANGÔ E NA UMBANDA
Prof. Dr. Roberto Motta (Brasil)

PARTE  III –  TEMA DO PLURALISMO E LIBERTAÇÃO

ÉTICA MUNDIAL E RELIGIÕES
Prof. Dr. Giuseppe Staccone (Itália)

SALVAÇÃO, ENTRE E ALÉM DAS RELIGIÕES
Prof. Dr. Faustino Teixeira (Brasil)

PARTE   IV –  TEMA DA TEOLOGIA MULTIRRELIGIOSA

NOVAS RELIGIOSIDADES E RENOVAÇÃO ESPIRITUAL
Prof. Dr. Cláudio Vianney Malzoni (Brasil)

UM DEUS, MUITAS TEOLOGIAS?
Prof. Dr. Manuel Hurtado (Bolívia)

 

– o –

Anais do GT Pluralidade espiritual e diálogo inter-religioso

 

O Observatório tem participado e colaborado na coordenação de um Grupo de Pesquisa que se reúne nos Simpósios de estudos da religião na UNICAP, bem como em grandes Congressos da área, feito os da SOTER e da ANPTECRE. O Grupo de Pesquisa Espiritualidades, Pluralidade e Diálogo é coordenado pelo professor Gilbraz Aragão, junto com os professores doutores Roberlei Panasiewicz (PUCMinas, MG) e Cláudio Ribeiro (UMESP, SP).

Diante do contexto culturalmente plural em que nos encontramos e que desafia as tradições religiosas, surgem, por um lado, movimentos intolerantes e fundamentalistas e, por outro lado, grandes oportunidades para o diálogo. Trata-se de reconhecer, no convívio com a diversidade, o que há de único e irrevogável em cada religião; ao mesmo tempo, é fundamental que se manifeste e reflita sobre o dinamismo espiritual comum que está entre e para além das religiões, mesmo daquelas expressões laicas e sem divindades. O diálogo “inter-religioso” que todas proporcionam faz repensar o compromisso ético das religiões com a paz mundial.

O Grupo se propõe, então, a debater pesquisas sobre Pluralidade Espiritual e Religiosa, Tolerância e Diálogo. Abaixo você pode acessar os Anais disponíveis dos últimos encontros e descobrir os estudos e pesquisas que a equipe do nosso Observatório tem compartilhado com as equipes que trabalham a nossa temática em outras Universidades:

Baixe por aqui os Anais SOTER 2009
Baixe por aqui os Anais SOTER 2010
Baixe por aqui os Anais SOTER 2011
Baixe por aqui os Anais SOTER 2012
Baixe por aqui os Anais SOTER 2013
Baixe por aqui os Anais SOTER 2014
Baixe por aqui os Anais SOTER 2015
Baixe por aqui os Anais SOTER 2016
Baixe por aqui os Anais ANPTECRE 2013
Baixe por aqui os Anais ANPTECRE 2015
BAIXE POR AQUI OS ANAIS ANPTECRE 2917
Baixe por aqui os Anais (Vol. XV) do Congresso Lusófono 2015
Baixe por aqui o RElatÓrio do I Seminário “Espiritualidades contemporâneas, pluralidade religiosa e diálogo” – Umesp 2016