OBSERVATÓRIO DAS RELIGIÕES NA PROMOÇÃO DA JUSTIÇA SOCIOAMBIENTAL

 

 

As colunas da injustiça
sei que só vão desabar
quando o meu povo, sabendo
que existe, souber achar
dentro da vida o caminho
que leva à libertação.
Vai tardar, mas saberá
que esse caminho começa
na dor que acende uma estrela
no centro da servidão.
De quem já sabe, o dever
(luz repartida) é dizer.
Quando a verdade for flama
nos olhos da multidão,
o que em nós hoje é palavra
no povo vai ser ação.

(Thiago de Mello)

 

De 14 a 16 de outubro o professor Gilbraz, coordenador do Observatório das Religiões da UNICAP, participou no Centro Cultural de Brasília de reunião do Conselho de Coordenação do Observatório Nacional de Justiça Socioambiental Luciano Mendes de Almeida – OLMA. O encontro buscou refinar o projeto desse Observatório Nacional, que visa articular e potencializar obras da Companhia de Jesus afins com a promoção de populações em vulnerabilidade social e a defesa de territórios ameaçados pelo desenvolvimento, como a Amazônia.

Aproveitando a reunião de quase trinta responsáveis dessas obras, aconteceu também em Brasília um Seminário de Educação Popular mais amplo, envolvendo educadores inacianos de toda a região (com assessoria de Maria Luíza Pinho Pereira e Luiz Passos) no aprofundamento dessa metodologia privilegiada de ação política emancipadora.

Criado por iniciativa da Província dos Jesuítas do Brasil, o Observatório Luciano Mendes de Almeida (cujo site estará disponível proximamente por aqui) tem sua base no Centro Cultural de Brasília e vai colocar em rede os Institutos Humanitas e várias instituições jesuíticas de educação popular, cuidado social e defesa ecológica, sob a coordenação do padre Ivo Follmann sj. Essa rede tem a finalidade de ampliar a comunicação, conectar pessoas, mediar e articular ações de promoção da justiça socioambiental da Província em suas diferentes frentes de presença apostólica, buscando uma interlocução contínua com os diversos atores do movimento pelos direitos socioambientais dentro e fora da Igreja.

Nesse sentido, o nosso Observatório Transdisciplinar das Religiões no Recife foi convocado para o mutirão, para compartilhar e refletir sobre as ações da rede, junto com o Grupo Inter-Religioso de Diálogo da UNISINOS e os Núcleos de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas das Universidades inacianas, que trabalham a coexistência entre culturas e religiões. Pois o diálogo inter-religioso e intercultural é chamado a criar ambiência mística de compromisso, entre e para além das tradições de fé, com essa frente ecumênica e ecológica comum que o papa Francisco aponta na carta “Sobre o Cuidado da Casa Comum” e que pauta também os planos dos jesuítas no Brasil:

“Orientado pelo Plano Apostólico da Província dos Jesuítas do Brasil, assim como pelo Marco de Orientação da Justiça Socioambiental desta mesma Província e amparado, sobretudo, no paradigma da Ecologia Integral, apresentado pela Encíclica ‘Laudato Si’, o OLMA traz como missão ser um serviço em rede de informações, análises, ações educadoras e incidência na realidade brasileira em vista da promoção da justiça socioambiental. Para isto, o OLMA se inspira e presta tributo, em seu nome, a um homem santo, uma referência de entrega e entusiasmo na construção de um mundo mais justo e humano, Dom Luciano, um jesuíta, ícone da Igreja e da história recente do Brasil” (Carta de Fundação).

O próximo evento apoiado pelo Observatório Nacional de Justiça Socioambiental ocorrerá justo na Católica de Pernambuco, de 25 a 28 de outubro próximo: a Semana de Estudos Amazônicos vai reunir a nossa comunidade não amazônica com pesquisadores multidisciplinares, mas também religiosos, grupos indígenas e ribeirinhos da Amazônia, sensibilizando-nos para a riqueza e os desafios da floresta e dos povos tradicionais que nela vivem. Todos estão convidados para a excepcional programação!

 

Saiba mais:

Grupo de Pesquisa Espiritualidades, Pluralidade e Diálogo

Observatorio de la Diversidad Religiosa y de las Culturas

 

3 comentários Adicione o seu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *