Vagas abertas para Grupos Artísticos

Estão abertas as inscrições para os grupos artísticos MPB Unicap e Flor de Maracujá. O MPB tem a missão de cantar e contar a história da Música Popular Brasileira através de espetáculos-aula. O Flor de Maracujá tem uma finalidade semelhante, porém é especializado em choro.

Os testes de aptidão acontecem no dia 15 de março, na sala de ensaios (localizada no primeiro andar do bloco E, por trás da gráfica da FASA), em dois horários: às 14h e às 18h30. Alunos, ex-alunos, professores e funcionários da Unicap podem se inscrever clicando aqui.

Parceria entre artista português e maestro da Católica rende maior prêmio da música em Portugual

Por Elano Lorenzato, via Assecom

Percy Marques e Fernando Tordo

Uma parceria entre o maestro, músico, arranjador, diretor musical e coordenador do grupo cultural MBP Unicap, Percy Marques, e um dos grandes artistas em atividade de Portugal, Fernando Tordo, resultou no disco “Outro Canto”, vencedor do maior prêmio da  música portuguesa, o Prêmio Pedro Osório. Os artistas viajarão a Lisboa no dia 21 de março e, no dia 23, se apresentarão na cerimônia de entrega do prêmio. O inusitado é que será a primeira vez que um CD gravado fora de Portugal receberá a premiação.

Fernando Tordo é um artista português, com 52 anos de carreira. Além de cantor e compositor, ele é escritor e pintor. Segundo Percy Marques, ele é o maior artista popular português vivo. Fernando, que compõe fados, canções típicas portuguesas, é um dos artistas que defendem que a música de Portugal não se resume só aos fados, sendo muito mais que isso.

Morando em Pernambuco há três anos, Fernando Tordo começou a compor canções autorais e a musicar poemas brasileiros e, dessa atividade, surgiu a necessidade de conhecer músicos locais para fazer a produção musical, entrar em estúdio e gravar seus projetos, aqui no Recife.

O renomado artista português conheceu Percy Marques no Sarau de Zé Renato, do Grupo Manifesto, sobre Bossa Nova, no Pátio Café, há quatro anos. “Lá, ele me viu tocando e, como ele toca violão também, ficou olhando fixamente para minha mão esquerda dedilhando as cordas do instrumento. No fim da apresentação, um colega nos apresentou e ele disse: Percy eu preciso de você para me ajudar em um trabalho, eu quero gravar minhas canções. Começamos a conversar e fizemos uma amizade e nisso, nós já gravamos 29 músicas inéditas. Dessas 29, tem um trabalho com os poetas brasileiros, onde ele musicou Carlos Drummond de Andrade, Castro Alves, Cacaso (Antônio Carlos Ferreira de Brito), Manuel Bandeira, Mauro Mota, enfim, grandes poetas brasileiros foram musicados. Mas aí, a gente precisa das autorizações das famílias e dos detentores dos direitos autorais desses poetas para lançar esse disco”, contou o funcionário da Católica.

O tempo foi passando e Percy deu uma ideia para Fernando gravar só músicas autorais, porque assim ele poderia lançar um disco, com selo próprio, sem ter que pedir autorização de ninguém. Assim foi feito. Das 29 canções gravadas, ele catalogou algumas, montando um CD chamado “Outro Canto”, simbolizando o outro lugar fora de Portugal e o outro sotaque cantado. O disco foi lançado aqui em Pernambuco, no Teatro de Santa Isabel, em julho de 2016, com um grande show.

Em seguida, o disco migrou para Portugal, sendo distribuído para diversos meios de comunicação. A Sociedade Portuguesa de Autores (SPA), da qual Fernando Tordo é associado, concede três prêmios anuais nas áreas de literatura e de música, sendo dois de música, nas categorias CD do Ano, na votação dos críticos e na votação popular. É considerado o maior prêmio musical de Portugal.

O Álbum “Outro Canto”, de Fernando Tordo, com direção musical e arranjos de Percy Marques, foi escolhido o Melhor CD do Ano, pela votação dos críticos da SPA. O prêmio será entregue no dia 23 de março, em Lisboa, onde os artistas vencedores se apresentarão.

“Eu estou muito feliz, porque é a primeira vez que eu ganho um prêmio! É claro que eu já tenho reconhecimento como artista, na região. Eu estou experimentando um pouquinho desse gosto porque, alguns artistas com os quais eu trabalho sempre falam isso: ‘A gente faz a música e não tem ideia se isso vai dar alguma coisa. A gente faz sem nenhuma pretensão e de repente estoura’. E foi o que aconteceu com o trabalho do Fernando.”

“Este prêmio, com que a Sociedade Portuguesa de Autores me honra, tem a ver com a grande satisfação minha ao fim de 52 anos de profissão. Ao contrário, por exemplo, aqui no Brasil que tem várias entidades, sociedades de autores, em Portugal temos apenas uma, que é a SPA, e, portanto, tem um critério, de longa experiência, de décadas, pois a Sociedade Portuguesa de Autores existe há aproximadamente 90 anos. Receber um prêmio, qualquer que seja, dentro da SPA é sempre ter em conta. Eu sou membro da Sociedade há 50 anos, e conheço relativamente bem a orgânica, embora não faça parte da estrutura diretiva da entidade.

É interessante neste prêmio, o fato de ele ser atribuído a um compositor, autor e cantor português, mas que não está há três anos no seu país. Eu vivo aqui no Brasil, no Recife, há exatamente três anos e, portanto, aqui encontrei, através do meu diretor musical e querido amigo Percy Marques, uma maneira de trabalhar a minha música, que entretanto, fui fazendo, não nego, positivamente afetado pelo ambiente que me rodeia. Não faço canções aqui, como faria em Lisboa ou não faço canções em Lisboa, como faria em Roma. O ambiente mexe conosco. Portanto, aqui o que encontrei foi uma facilidade muito grande de entendimento com os músicos, isso pela mão do Percy. Depois, na parte técnica, verificando pela prática, a cidade do Recife tem, independentemente, um dos melhores músicos do Brasil, eventualmente até do mundo. O Recife está munido de pequenos grandes estúdios de gravação e de grandes técnicos de gravação, portanto, a música tornou-se para mim um fator de maior prazer ainda porque, de fato, as coisas aqui estão muito simplificadas.

Não há quem não queira o Prêmio Pedro Osório, que foi um grande músico, um grande arranjador, orquestrador e compositor português, já falecido, e que tem este prêmio com o nome dele. Conseguir o Prêmio Pedro Osório é um sinal, de fato, que alguém tem uma carreira consolidada e que terá feito, por certo, um trabalho com qualidade suficiente para merecer esse prêmio.

‘Outro Canto’ é um disco que irá fazer parte da minha história enquanto compositor e enquanto cantor, porque não faço parte de uma nova geração de cantores. Eu vou fazer 69 anos de idade e, isto que acontece aqui, tem muito a ver com o Brasil, tem a ver com os brasileiros, tem a ver com os meus amigos brasileiros, tem a ver com os músicos do Brasil, que eu felizmente aqui encontrei, e tem, naturalmente, a ver com a companhia permanente, com o talento permanente deste querido amigo Percy Marques, que me acompanhou a cada minuto da fabricação, digamos, deste disco. Esse prêmio que vou receber, em Lisboa, é um prêmio que se deve muito, especialmente, a ele e aos queridos músicos brasileiros que quiseram fazer essa festa. Eu farei, quando regressar de Lisboa, a grande festa de celebração deste prêmio que é, seguramente, a primeira vez que acontece em Portugal, de um disco gravado no estrangeiro obter um prêmio tão importante”, concluiu Fernando Tordo.

Começa 2017: MPB se apresenta na Colação de Grau Oficial da Unicap

Foram três dias abrilhantando as solenidades de formatura

De 23 a 25 de janeiro, o MPB Unicap marcou presença nas solenidades oficiais de Culto Ecumênico e Colação de Grau das turmas do semestre 2016.2 da Universidade Católica de Pernambuco.

No Centro de Convenções de Pernambuco – com um Teatro Guararapes lotado -, os integrantes da banda abrilhantaram as comemorações. No dia 24, durante o Culto Ecumênico, Surama Reis cantou Mutirão de Amor (Jorge Aragão / Sombrinha Cruz / Zeca Pagodinho), enquanto o professor Newton apresentou a canção O Homem (Roberto Carlos / Erasmo Carlos). O docente cantou ainda, nos três dias, a música Sonho Impossível (Chico Buarque / Joe Darion). O momento da Colação de Grau, logo após o Culto Ecumênico, foi aberto pela canção E Vamos à Luta (Gonzaguinha) na voz de Natércia Dantas. Nos dias 23 e 25, Jéssica Aragão interpretou O Que É, O Que É? (Gonzaguinha). No dia 24, a mesma canção ficou a cargo de Maiara Lima, também formanda do curso de Letras. Nos dias 24 e 25, Laís Xavier participou das celebrações ecumênicas, cantando Oração de São Francisco e Se Eu Quiser Falar Com Deus (Gilberto Gil). O Hino Nacional Brasileiro foi cantado por Natércia Dantas. O Hino de Pernambuco, em ritmo de maracatu, ficou por conta de Surama Reis. Participaram ainda os músicos Alex Cumaru (teclado), Alexandre D’Lamare (saxofone), Carlos Lima (bateria), George Rocha (percussão – músico convidado), Jefferson Lopes (percussão), João Paulo Bastos (contrabaixo) e Percy Marques (direção, violão e guitarra).

Foi a primeira apresentação do MPB Unicap em 2017. Neste ano, o grupo se prepara para homenagear o centenário do samba.

 

Confira as fotos da Colação de Grau 2016.2:

MPB Unicap se apresenta no Espaço Criança Esperança

Grupo levou espetáculo Mística Popular Brasileira a Jaboatão dos Guararapes

No último sábado (19), o MPB Unicap se despediu do espetáculo Mística Popular Brasileira com apresentação no Espaço Criança Esperança (ECEJ). Em 2015, a banda passou pelo Espaço com o show 50 Anos de Jovem Guarda.

Para 2017, o MPB se prepara para homenagear o centenário do samba.

 

Veja as fotos de Altino Francisco:

Festa de Cristo Rei recebe espetáculo do MPB Unicap

Foi a terceira apresentação do grupo no Cabo de Santo Agostinho

O grupo MPB Unicap marcou presença em mais uma Festa de Cristo Rei, no Cabo de Santo Agostinho. No último sábado (12), a banda levou seu espetáculo Mística Popular Brasileira ao palco montado ao lado da Paróqui de Cristo Rei, promotora do evento.

O repertório apresentado é do tema mais recente trabalhado pela banda, que traz canções da Música Popular Brasileira que tenham algum sentido religioso. A próxima parada do MPB é no Espaço Criança Esperança de Jaboatão (ECEJ), no próximo dia 19.

 

Espetáculo ‘Mística Popular Brasileira’ no Parque Dona Lindu

MPB Unicap subiu mais uma vez ao palco do Teatro Luiz Mendonça para mostrar seu trabalho do ano

Como parte da programação em comemoração pelo aniversário da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), o MPB Unicap voltou ao Teatro Luiz Mendonça. Na última terça (27), o grupo apresentou seu mais recente espetáculo, o Mística Popular Brasileira.

O repertório conta com canções da Música Popular Brasileira que tenham aspectos religiosos em suas letras. Andar Com Fé (Gilberto Gil), Jesus Cristo (Roberto Carlos), Se Eu Quiser Falar Com Deus (Gilberto Gil) e Súplica Cearense (Luiz Gonzaga) são alguns dos clássicos presentes no show.

Confira os cliques das fotógrafas Bruna Cunha e Marcela Brennand.

 

Bruna Cunha:


 

Marcela Brennand:


Novo espetáculo do MPB Unicap estreia em Congresso de Ciências da Religião

Repertório sobre religiosidade foi apresentado a congressistas

A Universidade Católica de Pernambuco (Unicap) sediou, entre os dias 8 e 10 de setembro, o III Congresso Nordestino de Ciências da Religião e Teologia. Na última sexta (9), o MPB Unicap apresentou o espetáculo Mística Popular Brasileira aos participantes do Congresso, em clima de pré-estreia.

O repertório conta com canções da Música Popular Brasileira que trazem, implícita ou explicitamente, um sentido religioso. Anunciação, de Alceu Valença; Romaria, de Renato Teixeira e sucesso na voz de Elis Regina; Mantra, de Nando Reis e Sobre Todas As Coisas, de Chico Buarque; são alguns dos destaques do set list.

No próximo dia 27, a banda leva o mesmo projeto ao palco do Teatro Luiz Mendonça, no Parque Dona Lindu. O evento começa às 20h e tem entrada franca.

 

Veja os cliques de Bruna Cunha:




Compesa completa 45 anos e MPB Unicap abrilhanta festa

Aniversário da Companhia foi no Classic Hall

A Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) completou 45 anos em 2016. Para festejar, foi preparado um grande evento no Classic Hall, para todos os funcionários da empresa, na última sexta (29).

Com apresentações artísticas, foi contada a história da Compesa e sua importância para Pernambuco. A música ficou por conta do MPB Unicap. Ao final da solenidade, foi apresentado um pocket show do espetáculo 50 Anos de Jovem Guarda, para animar os convidados.

 

Confira as fotos:




MPB participa de Colação de Grau Oficial da Unicap

Grupo participou pela quarta da vez da Colação de Grau Oficial da Católica

Na última terça (19), o MPB Unicap se apresentou durante a solenidade oficial de Colação de Grau do semestre 2016.1 da Universidade Católica. Desta vez, o evento foi num dia unificado para todas as turmas de formandos, contando também com o Culto Ecumênico antes da Colação de Grau. A festa aconteceu no Classic Hall, em Olinda.

Confira as fotos:

Colação de Grau Oficial 2015.2

Nas últimas segunda e terça (25 e 26 de janeiro), o MPB Unicap esteve no Teatro Guararapes, abrilhantando a solenidade de Colação de Grau Oficial dos formandos do semestre 2015.2, da Universidade Católica de Pernambuco.

Confira os cliques dos bastidores:

 

Powered by WordPress | Designed by: buy backlinks | Thanks to seo, seo services and Insanity Workout Template designed under supervision of Archystudio.ru