Beber de sua fonte interior

Por Marcelo Barros [*]

Nesses dias da Quaresma, as Igrejas cristãs antigas nos convidam para uma conversão do nosso ser. Essa conversão implica uma mudança no modo de viver as relações com os irmãos e irmãs e também a comunhão com a natureza. No entanto, essa conversão só será profunda se conseguirmos mergulhar no mais profundo do nosso ser interior. Ali, poderemos descobrir uma presença divina que nos chama ao amor solidário e a uma profunda divinização do nosso ser.

Conforme a mitologia grega, Zeus escondeu a dimensão divina do humano no lugar mais oculto e profundo, onde o ser humano normalmente não a procura: em seu próprio coração. Por isso, os espirituais e místicos de todas as religiões propõem a peregrinação interior e ensinam que essa exige uma profunda renovação da vida.

No Recife dos anos 70, um padre, acusado de ser pessoa de trato difícil, recebeu um telefonema do arcebispo dom Hélder Câmara que lhe pedia uma audiência. O padre se revelou disponível a qualquer momento que o bispo quisesse. Mas, Dom Hélder esclareceu que não havia pedido a conversa para si. A audiência que o padre deveria dar era a si mesmo. Precisava marcar um diálogo com o seu eu interior. O padre, ofendido, respondeu: “Procuro fazer bem o meu trabalho, mas, na minha vida pessoal, ninguém interfere!” .

Esse modo de pensar é pragmático, mas nada tem de espiritual. O Espírito Divino nos chama não só a fazer coisas que produzam resultados visíveis, mas principalmente a testemunhar algo mais profundo e inefável. De fato, é mais fácil conquistar mil mundos do que chegar ao auto-domínio, conviver com o seu semelhante e, como diziam os antigos espirituais: “habitar consigo próprio”. Quando, em 1969, pela primeira vez, os astronautas chegaram à lua, uma senhora do interior do Maranhão falou: “Parece mais fácil o homem ir à lua do que a gente se dar bem consigo mesma e com as pessoas próximas”.

No Evangelho, Jesus chega a dizer que, quem não receber o reino divino como uma criança não pode entrar nele (Cf. Mc 10, 15).  Na Idade Média, Mestre Eckhart, teólogo alemão, ensinava que “cada um de nós tem uma dimensão mística”. E esclarecia: “Esse ser místico é a dimensão de criança que existe dentro de cada pessoa”.

Antigas religiões orientais, como os diversos ramos do hinduísmo e do budismo, ensinam exercícios para que as pessoas aprimorem esta busca interior. Quase todas as tradições insistem que, para realizar esta peregrinação interior, é preciso que a pessoa simplifique a sua vida, busque a sobriedade, ame o silêncio e, principalmente, aprofunde a sua capacidade de amar. O próprio Jesus, no Evangelho propôs, como condição para o discipulado, o despojamento pessoal e a disposição de partilhar com o outro tudo o que se tem e o que se vive. A espiritualidade bíblica insiste que o cuidado com a interioridade não pode isolar a pessoa em si mesma. Ao contrário, é para torná-la mais capaz de sair de si e viver a comunhão com os outros.  Dietrich Bonhoeffer, teólogo luterano, mártir do nazismo, dizia: “Deus está em mim para você e em você, para mim. Ele está em mim, mas eu o encontro melhor em você e, então, você o revela presente em mim, assim como eu o mostro presente e atuante em você”.

A fé cristã nos assegura que esse caminho se realiza pela graça divina e é totalmente gratuito e democrático. É acessível a todos. Basta querer e aceitar o chamado divino. Vale para nós, hoje, o que Paulo escreveu aos cristãos de sua época: “Vocês não vivem mais sob o domínio dos instintos egoístas (carne), mas sob o Espírito e o próprio Espírito Divino habita em vocês” (Rm 8, 9).

[MarceloBarros*] Marcelo Barros, monge beneditino, é biblista de formação e atualmente coordenador latino-americano da Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo (ASETT). É assessor nacional das comunidades eclesiais de base e de movimentos populares. Tem se dedicado especialmente a estudar o pluralismo cultural e religioso e particularmente ao contato com as religiões de matriz afro-descendente. Publicou 44 livros no Brasil, alguns traduzidos em outros idiomas, além de vários livros coletivos, como a coleção “Pelos muitos caminhos de Deus”, sobre teologia pluralista da libertação.

Print Friendly, PDF & Email

Abril 03rd, 2017 Postado por : vieira Arquivado em: Marcelo Barros

Seja o primeiro a comentar Deixe uma resposta:

Seu e-mail não será publicado.Campos obrigatórios*