O chamado do Amor

Por Marcelo Barros [*]

Em muitos países, o 14 de fevereiro é um dia importante para as pessoas apaixonadas e para os amigos. O motivo é que, nesse dia, no antigo calendário católico, se fazia memória de São Valentim. Conforme a lenda, no século III, para que os jovens pudessem permanecer disponíveis para ir à guerra, o imperador proibiu que, por um tempo, a Igreja abençoasse casamentos. No entanto, o bispo Valentim os celebrava escondidos. Um dia, isso foi descoberto. O bispo foi preso e condenado à morte. Mesmo na prisão, continuou a abençoar o amor dos jovens. Por isso, em muitos países, até hoje, o “Valentine days” é o dia dos namorados. Outra lenda antiga fala de um cristão chamado Valentim que se entregou aos guardas do imperador para ser preso e morto no lugar de um amigo, denunciado como cristão. Baseado nisso, a ONU considera o 14 de fevereiro como “o dia da amizade”.

Hoje em dia, todo mundo fala de amor. No entanto, em muitas canções, telenovelas e filmes, se ressaltam mais impulsos egoístas de posse do outro do que uma peregrinação de amor que conduz uma pessoa ao coração da outra. E quando, nessas obras comerciais, o amor chega a ser mostrado, é de um modo idealizado, irreal e longínquo de nós, pobres mortais, envolvidos em uma realidade de vida bem mais complexa.

Nos anos 70, uma palavra de ordem da juventude dizia: “Faça o amor, não faça a guerra”. Em tempos de lutas sociais e políticas acirradas, a esquerda privilegiava relações coletivas, lutas de classe e a solidariedade política na luta pela justiça e libertação dos oprimidos. A dimensão subjetiva e as relações afetivas de cada um eram mais valorizadas por grupos alienados ou ligados ao sistema dominante. Só que para muitas pessoas, as questões afetivas se tornavam o único eixo de vida que interessava. E até hoje, a televisão continua oferecendo o amor romântico como pão e circo para as carências da massa.

O desafio atual das pessoas e grupos comprometidos com a vida é unir as pontas de uma realidade que, embora complexa, é uma só. O presidente Hugo Chávez gostava de repetir que, na luta política, tinha aprendido que as revoluções, se não procedem do amor e não são permanentemente embebidas de amor, se tornam inúteis e contraproducentes. Assim, nesses dias difíceis que atravessamos, em um Brasil incendiado por ondas de violência e de ódio, qualquer brisa de amor refrigera e toda forma de carinho vale a pena.

Não existem muitos amores. O amor é um só, embora tome formas e expressões diferentes. O amor de mãe, amor de irmãos, de namorados ou de amigos, têm todos o mesmo DNA. Vêm todos da mesma fonte. Há uma inteligência amorosa, presente no universo e atuante nas pessoas e em todo ser vivo. As religiões e tradições espirituais a chamam de Deus. A tradição judaica ensina que ao criar o mundo, a luz divina se espalhou como chamas de amor por todo o universo. Então, ao receberem essas faíscas do Amor maior, fonte de todo amor, todos os seres vivos foram divinizados. Entre eles, cada ser humano é chamado a cultivar e desenvolver em si mesmo e nos outros essa chama para que ela não se apague. As relações familiares, a participação comunitária e os relacionamentos de amizade e de amor conjugal são instrumentos para a realização plena dessa vocação para o amor.

O amor conjugal tem uma dimensão mais exclusiva. O amor de amizade é aberto, mais gratuito e incondicional. Por isso, místicos de diferentes religiões o consideram o sinal por excelência do amor divino no mundo. Amar é nossa vocação. Todos os seres humanos são chamados a viver esse caminho. Somos felizes quando nos sentimos nele e por ele nos deixamos conduzir.

Todas as formas de amor são assumidas pelo Espírito Divino que se manifesta em todo e qualquer amor humano. No entanto, o Espírito de Amor nos chama a sermos cada vez capazes de um amor gratuito e mais generoso. Trata-se de amar até quem não ama, de levar amor onde não há amor, de modo incondicional e sem limites. Esse amor de doação total pode conter em si a dimensão erótica. Pode também assumir a expressão de uma amizade bela e madura. Mas é,  principalmente, amor de solidariedade e bem querer gratuito. No grego bíblico, se chama agapé e está contido na expressão “Deus é amor. Quem vive o amor permanece em Deus e Deus está nessa pessoa” (1Jo 4, 16).

[MarceloBarros*] Marcelo Barros, monge beneditino, é biblista de formação e atualmente coordenador latino-americano da Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo (ASETT). É assessor nacional das comunidades eclesiais de base e de movimentos populares. Tem se dedicado especialmente a estudar o pluralismo cultural e religioso e particularmente ao contato com as religiões de matriz afro-descendente. Publicou 44 livros no Brasil, alguns traduzidos em outros idiomas, além de vários livros coletivos, como a coleção “Pelos muitos caminhos de Deus”, sobre teologia pluralista da libertação.

Print Friendly
fevereiro 17th, 2017 Postado por : vieira Arquivado em: Marcelo Barros

Seja o primeiro a comentar Deixe uma resposta:

Seu e-mail não será publicado.Campos obrigatórios*