A fé, nova forma de amar

Por Marcelo Barros [*]

A credibilidade das Igrejas e de toda religião está cada vez mais ligada ao compromisso dessas contribuírem com a justiça e a paz no mundo. Na América Latina, a relação entre espiritualidade ecumênica e opção pela vida e libertação dos empobrecidos foi proclamada oficialmente pela 2ª Conferência geral dos bispos católicos latino-americanos, reunida em Medellín, Colômbia em 1968. No próximo ano, celebraremos os 50 anos da conferência de Medellín que significou uma espécie de nascimento novo para a Igreja Católica na América Latina, já que aprofundou várias propostas para um cristianismo de rosto latino-americano e caribenho.

Durante o mês de setembro em vários lugares do continente, cristãos e estudiosos do tema se perguntam que herança permanece da 2ª conferência geral do episcopado latino-americano. Será que os bispos e padres da Igreja Católica, hoje, continuam na mesma estrada proposta pelos bispos reunidos em Medellín (1968) Mais do que tudo, uma grande parte da humanidade quer saber se, atualmente, pode contar com as forças vivas da Igreja Católica e de sua hierarquia, como contou a partir de Medellín, até meados da década de 70, para, a partir dos movimentos sociais, organizar juntos um mundo mais irmão e justo.

Medellín foi um acontecimento de certa forma surpreendente e pioneiro. A sua preparação não previa de modo algum os frutos que, no final, nos deixou. É certo que, em 1968, o clima de abertura e diálogo com a humanidade que o papa João XXIII ainda não tinha sido totalmente cerceado e reprimido pela Cúria Romana. O espírito de liberdade e criatividade, suscitado pelo Concilio Vaticano II, ainda influenciava  bispos, padres e comunidades cristãs. Entretanto, a visão da maior parte dos bispos não tinha sido transformada.

A conjuntura no continente era difícil e conflitiva. Vários dos nossos países, como o Brasil, já estavam imersos em uma cruel ditadura militar. No ano anterior a Medellín (1967), na Colômbia, os militares assassinaram o sacerdote revolucionário Camilo Torres. Na Bolívia, a CIA matou o comandante Che Guevara. Em todo o continente, cresciam os grupos cristãos, convencidos de que o desafio maior para os nossos povos não era o mero desenvolvimento e sim a libertação dos povos oprimidos. O desenvolvimento proposto acabava sempre sem justiça. O Evangelho apresenta o reino de Deus, não como o desenvolvimento do sistema do mundo e sim como ruptura e libertação de tudo o que oprime o ser humano. Entretanto, na maioria dos países, só um ou outro bispo, como no Brasil, Dom Hélder Câmara e alguns outros denunciavam as torturas e enfrentavam diretamente a ira dos militares no governo. A maioria dos bispos e padres preferia calar. E o papa pregava que os cristãos devem buscar uma evolução das coisas e não revolução. Medellín começou sob este clima. Só à medida que as discussões se aprofundaram, o ambiente foi se abrindo e os bispos trataram das graves questões do continente, da forma mais aberta e lúcida que se poderia imaginar. Certamente, vários bispos votaram sem se dar conta das consequências de tudo o que tinham afirmado e assinado.

A conferência de Medellín foi a primeira vez em que uma grande assembleia eclesial se interessava por um tema que não era só interno à vida da Igreja. O título era “A Igreja no mundo em transformação”, mas a perspectiva era projetar uma visão integral do ser humano, compreendido a partir de sua dimensão social e da sua vocação para a libertação. De fato, a conferência conseguiu realmente falar ao mundo. Produziu 16 documentos de conclusão e todos foram escritos no método de partir da realidade (Ver), confrontar esta situação levantada com a Palavra de Deus e com o projeto divino para o mundo (Julgar), concluindo por sugerir pistas de ação e de atividades para transformar a realidade (Agir). Os primeiros documentos versavam sobre Justiça, Paz, Família e não sobre temas eclesiásticos.

Medellín foi uma conferência pioneira e propôs transformações na identidade da fé e da pertença eclesial. Entretanto, não ousou mexer nas estruturas de sempre. O resultado disso é que esta estrutura se encarregou de neutralizar e apagar a mensagem profética da conferência. Tanto que hoje somos obrigados a nos perguntar que herança ficou de Medellín na Igreja de Aparecida.

O milagre divino é que, apesar de todas as dificuldades da Igreja e do mundo, Medellín deixou um espírito que não morreu. Embora restrito a minorias proféticas, o apelo dos bispos na conferência ressoa até hoje: “Que se apresente cada vez mais nítido, o rosto de uma Igreja autenticamente pobre, missionária e pascal, desligada de todo o poder temporal e corajosamente comprometida na libertação do ser humano por inteiro e de toda a humanidade” (Medellin. 5, 15 a)

[MarceloBarros*] Marcelo Barros, monge beneditino, é biblista de formação e atualmente coordenador latino-americano da Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo (ASETT). É assessor nacional das comunidades eclesiais de base e de movimentos populares. Tem se dedicado especialmente a estudar o pluralismo cultural e religioso e particularmente ao contato com as religiões de matriz afro-descendente. Publicou 44 livros no Brasil, alguns traduzidos em outros idiomas, além de vários livros coletivos, como a coleção “Pelos muitos caminhos de Deus”, sobre teologia pluralista da libertação.

Print Friendly

setembro 15th, 2016 Postado por : vieira Arquivado em: Marcelo Barros

Seja o primeiro a comentar Deixe uma resposta:

Seu e-mail não será publicado.Campos obrigatórios*