A Páscoa dos descartáveis

Por Marcelo Barros [1]

Assim como os seres vivos precisam de água para viver e o organismo depende de alimento para se reabastecer, as Igrejas e o mundo precisam de profetas. O termo é religioso, mas a função é a de pessoas críticas que ajudem a sociedade a pensar, a se rever e a mudar de itinerário. Assim, nos tempos bíblicos, para mostrar como o povo se situava diante de Deus, o profeta Isaías saiu nu pelas ruas. Jeremias que era de família sacerdotal assumiu uma canga e se vestiu de escravo.

No mundo atual, o fenômeno das migrações revela o fracasso da política que os Estados Unidos e países da Europa impõem aos povos do Oriente Médio e da África. Essa política continua o colonialismo que vem de 500 anos e tem, hoje, como consequência a imensa onda de populações inteiras que não podem viver em seus países praticamente destruídos pelas potências ocidentais.  Há alguns dias, a polícia da França e a Inglaterra interveio e derrubou as tendas dos migrantes no acampamento de Calais, no norte da França. Ali estão acampados mais de 3500 migrantes, vindos de diversos países do Oriente Médio e proibidos de entrar na Inglaterra. Famílias inteiras com crianças passam o inverno europeu em um terreno pantanoso, sem água e sem alimentos. Nas fronteiras entre a Macedônia e a Grécia, assim como entre a Alemanha e a Áustria, milhares tentam abrigo e são rejeitados por governos que se dizem democráticos e alguns deles cristãos. A rainha da Inglaterra, chefe da Igreja Anglicana assinou um documento negando aos antigos moradores de várias ilhas no Oceano Índico permissão para voltar a suas casas, de onde haviam sido expulsos. A Inglaterra tinha vendido as ilhas ao exército norte-americano para fazer ali bases militares.

É a partir dessa chave de leitura que podemos compreender a decisão de quatro padres jovens da diocese de Bérgamo, no norte da Itália. No começo dessa Quaresma, eles decidiram armar uma tenda diante de uma Igreja paroquial e ali viverem acampados até a Páscoa. Na carta pública com a qual anunciaram sua decisão, os padres Emanuele, Alessandro, Andrea e Gianluca deixam claro: “Tomamos essa decisão por termos descoberto que o preço do bem-estar que vivemos é a redução à miséria de outros seres humanos. E em nome de Jesus, não podemos aceitar isso”. Por isso, fizeram esse gesto como iniciativa de Quaresma e anúncio de uma nova Páscoa.

Na cultura hebraica, é um gesto litúrgico. Até hoje, a cada ano, na festa de Shuccot (festa das Tendas), as comunidades judaicas têm o costume de armar tendas de palmeira ou de plantas no jardim de suas casas e ali viver por oito dias para recordar o tempo em que Israel vivia em tendas no deserto. Na realidade brasileira e latino-americana, a partir dos anos 70, alguns padres, religiosos e religiosas passaram a viver em aldeias indígenas, em acampamentos de lavradores sem-terra para sensibilizar a sociedade para o direito que toda pessoa humana tem ao que o papa Francisco chama os três T: terra, trabalho e teto.

Na atual América Latina, também temos migrações internas. Em nossas cidades, convivemos com o comércio informal mantido por migrantes africanos, haitianos ou de países vizinhos, geralmente explorados por patrões que os tratam como semiescravos. No entanto, a profecia das tendas é mantida por grupos indígenas que são as principais vítimas da poluição da natureza, da invasão do agronegócio e dos governos que ainda mantém um projeto de desenvolvimento baseado no lucro e que consideram índios e pequenos lavradores como descartáveis. Há poucos dias, em Honduras, apareceu assassinada Berta Cáceres, líder indígena do país. Independente da mão que lhe deu o tiro fatal, de fato, ela foi assassinada por esse projeto de desenvolvimento que considera índios, lavradores e pobres em geral, como descartáveis.

Daqui há poucos dias, as comunidades judaicas e Igrejas cristãs celebrarão a Páscoa. Essa festa teve seu início na fé dos hebreus de que o próprio Deus veio guiar a sua migração do Egito para a terra prometida. Ao doar a sua vida para que todos tenham vida e vida de qualidade, Jesus faz da Páscoa uma bênção e fortalecimento para todos os migrantes e deserdados do mundo. Em 1968, os bispos latino-americanos, reunidos na Conferência de Medellín, propunham: “uma Igreja pobre e pascal, comprometida com a libertação de toda humanidade e de cada ser humano por inteiro” (Med 5, 15).

[MarceloBarros1] Marcelo Barros, monge beneditino, é biblista de formação e atualmente coordenador latino-americano da Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo (ASETT). É assessor nacional das comunidades eclesiais de base e de movimentos populares. Tem se dedicado especialmente a estudar o pluralismo cultural e religioso e particularmente ao contato com as religiões de matriz afro-descendente. Publicou 44 livros no Brasil, alguns traduzidos em outros idiomas, além de vários livros coletivos, como a coleção “Pelos muitos caminhos de Deus”, sobre teologia pluralista da libertação.

 

Print Friendly, PDF & Email

março 14th, 2016 Postado por : vieira Arquivado em: Marcelo Barros

Seja o primeiro a comentar Deixe uma resposta:

Seu e-mail não será publicado.Campos obrigatórios*