O protagonismo das mulheres nos movimentos sociais

Por Marcelo Barros [1]

As comemorações do dia internacional da mulher nos fazem ver o papel fundamental das mulheres nos movimentos sociais. O Patriarcalismo está na base de muitos males da sociedade. Por isso, a luta pela igualdade na relação de gêneros e pelos direitos da mulher une a todos, homens e mulheres. No entanto, na maioria dos grupos de base e iniciativas, a liderança é das mulheres. Em todo o Brasil, existe uma centena de organizações e movimentos de mulheres que lutam pela justiça e igualdade. A maioria de mulheres pobres. A Organização das Quebradeiras de Coco e o Movimento de Seringueiras na região amazônica, assim como o Coletivo das Mulheres Negras em defesa da Vida no Sul do Brasil se unem na mesma caminhada. No Movimento de Trabalhadores sem Terra, MST e nas lutas de periferia urbana tem se fortalecido o protagonismo das mulheres. Camila Moraes, 28 anos, gaúcha e jornalista, criadora da revista eletrônica Acho digno retrata lutas como o projeto “Minha mãe não dorme enquanto eu não chegar”, ação direcionada para as mães dos jovens assassinados pela polícia e pelo tráfico nas periferias urbanas. Mulheres jovens, muitas das quais negras de periferia, formam a Frente Nacional das Mulheres do Hip-hop. Na Bahia, se destaca o Instituto Odara, organização cultural de mulheres negras. No Rio e São Paulo, a Articulação de Mulheres Negras Brasileiras (AMNB). Há alguns meses, o governo de São Paulo decidiu fechar várias escolas públicas. Então, jovens e adultos tomaram a iniciativa de ocupar as escolas fechadas. Mulheres negras lideraram as mobilizações e muitas delas sofreram forte repressão policial. No interior do Ceará, a organização de mulheres Pretas Simoa trabalha a diversidade religiosa e contra a discriminação, o fortalecimento da dignidade negra e a defesa de trabalhadoras domésticas. Esse grupo tem o nome de Tia Simoa, mulher que, no século XIX, liderou greves de jangadeiros no Ceará e lutou pela abolição da escravatura.

Só quando sabemos da existência de todos esses movimentos, compreendemos o sucesso da Marcha das Mulheres Negras, realizada em 18 de novembro de 2015, em Brasília. O Le Monde Diplomatique afirmou: “cerca de 50 mil mulheres negras de todo o país ocuparam as ruas da capital para representar com o seu corpo e sua alma os 48, 6 milhões de mulheres negras brasileiras que, segundo o IBGE, constituem cerca de 25, 5% da população brasileira”. Larissa Santiago, integrante do Blogueiras Negras, afirma: “2016 será o ano de refazer os laços entre nós e entre todos que acreditam nas mudanças e na revolução capitaneada pela mulher negra” (Daniela L. da Silva e Juliana C. Nunes, Dandaras rebeladas, in Le Monde Diplomatique Brasil, fev. 2016, pp. 9 – 10).

Esse protagonismo das mulheres nos movimentos sociais é internacional. Existe a Rede de Mulheres Afro-Latino-americanas do Caribe e da Diáspora. Em maio, na Bahia, a organização internacional AWID (Associação Mulheres e Desenvolvimento) vai promover um fórum com o tema: “Futuros feministas: construindo poder coletivo em prol dos direitos e da justiça”. Na luta pela educação e para garantir pela equidade no mercado de trabalhos, a revista internacional The Economist considerou a doutora em Psicologia Cida Bento, uma das 50 profissionais mais influentes do mundo no campo da diversidade.

Para as comunidades cristãs, esse dia internacional da mulher ocorre em plena Quaresma e durante a Campanha da Fraternidade Ecumênica sobre o cuidado com a Terra, a Água e o Saneamento Básico. Também nas Igrejas, muitas comunidades são coordenadas por mulheres, mesmo se algumas confissões ainda não se abrem plenamente a essa participação. Quem se deixa guiar pelo Espírito, qualquer que seja a sua tradição religiosa, sabe que a desigualdade ou discriminação, seja de gênero, racial ou social são anti-espirituais. O apóstolo Paulo escreveu: “Judeus e gregos, homens e mulheres, escravos e livres, todos formamos uma unidade e somos iguais em Cristo” (Gl 3, 28)

Nessa semana em que o mundo inteiro celebra a causa da igualdade de gêneros, recordemos o que disse o Dalai Lama: “Todos temos de desenvolver a capacidade de empatia recíproca que, interiormente, cada pessoa possui. É a incapacidade de suportar o sofrimento da outra pessoa. Só a solidariedade compassiva salvará o mundo”. No Brasil, as organizações de mulheres de periferia e movimentos populares nos ensinam isso. Parabéns!

[MarceloBarros1] Marcelo Barros, monge beneditino, é biblista de formação e atualmente coordenador latino-americano da Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo (ASETT). É assessor nacional das comunidades eclesiais de base e de movimentos populares. Tem se dedicado especialmente a estudar o pluralismo cultural e religioso e particularmente ao contato com as religiões de matriz afro-descendente. Publicou 44 livros no Brasil, alguns traduzidos em outros idiomas, além de vários livros coletivos, como a coleção “Pelos muitos caminhos de Deus”, sobre teologia pluralista da libertação.

 

Print Friendly

março 07th, 2016 Postado por : vieira Arquivado em: Marcelo Barros

Seja o primeiro a comentar Deixe uma resposta:

Seu e-mail não será publicado.Campos obrigatórios*