Reação aos ataques de Paris

Por Marcelo Barros [1]

Toda a humanidade consciente se sente ferida e ameaçada pelos ataques terroristas contra pessoas inocentes que, em Paris, andavam na rua, assistiam a um jogo de futebol ou participavam de um show. Além dos mortos e feridos, outra consequência mortal de tais atos é a de reforçar um pânico generalizado, legitimar maior rigidez nas fronteiras e marginalização dos migrantes já discriminados. Também esses atos acabam suscitando na opinião pública o desejo de vingança que toma a forma de novas guerras “preventivas” como a que, depois dos ataques às Torres Gêmeas, legitimou as invasões norte-americanas ao Afeganistão, ao Iraque e a outros países. Essas guerras massacraram populações civis, causaram milhares de mortos, destruíram a estrutura social e econômica de países inteiros e não deixaram nenhum saldo de paz ou de justiça. Nem mesmo trouxeram segurança ao Ocidente, cada dia mais ameaçado. Ao contrário, só tornam o mundo cada vez mais inseguro e perigoso. Infelizmente, o que antes era a guerra contra a Al Qaeda, agora se volta contra o “Estado Islâmico”. E esse grupo terrorista não é um verdadeiro Estado. E pode se dizer tão islâmico quanto os deputados fundamentalistas do nosso Congresso Nacional podem se dizer evangélicos.

Responder a esses ataques de Paris com invasões e atos militares de guerra lançará o mundo em mais uma aventura cruel na qual quem mais sofre é sempre a população pobre dos países alvos. O que está por trás do terrorismo desses grupos que usam o Islã como pretexto para o seu ódio ao Ocidente é uma ideologia de defesa que se apoia em um determinado fundamentalismo religioso. Não adianta matar um, dez ou cem fanáticos para acabar com o fanatismo. Não é com foguetes e mísseis nucleares que se transformam mentes e corações. Atos de guerra não trarão paz nem segurança ao mundo. E as mentes esclarecidas, inclusive de cidadãos naturais de grandes potências do Ocidente, especialmente os Estados Unidos e a França, criticam posições políticas e reconhecem erros graves cometidos, em décadas recentes, contra populações do Oriente Médio e da África.

“Entre as décadas de 1950 e 1990, a associação entre os EUA e os grupos fundamentalistas esteve no epicentro de alguns fatos históricos. No governo do ditador Sukharno, mais de um milhão de comunistas indonésios foram assassinados pelos militantes do Sarakat-para-Islã, apoiados com dinheiro e armas norte-americanas. Em outras nações, como Síria e Egito, esse mesmo tipo de apoio logístico e militar foi empregado pelos norte-americanos para que os governos de esquerda perdessem seu respaldo. No ano de 1979, os EUA forneceram armas e treinamento para que grupos afegãos lutassem contra os invasores soviéticos. Em contrapartida, naquele mesmo ano, os iranianos fundamentalistas derrubavam o governo apoiado pelos norte-americanos por meio da revolução. Nas décadas subsequentes, os Estados Unidos financiaram com dinheiro e muitas armas a chegada dos talibãs ao governo do Afeganistão. É pública a informação que Bin Laden e a sua organização Al- Qaeda nasceram sob o patrocínio político e econômico do governo dos Estados Unidos. O Estado Islâmico foi aparelhado pelo governo norte-americano que precisava de um pretexto para invadir a Síria e depois perdeu o controle do grupo que armou. No Wikileaks, Julian Assage publicou sobre isso muitos documentos. Em uma entrevista ao Democracy Now, Noam Chomsky declarou que os Estados Unidos financiaram e financiam ainda o EIIL através da Arábia Saudita. Só recentemente, essa aliança entre o Império americano e os terroristas foi se transformando em relação de ódio em que os “terroristas” confrontavam o poder do “demoníaco império do Ocidente”. Em 2001, essa rivalidade chegou ao seu ápice quando os integrantes da organização Al-Quaeda organizaram o ataque às torres do World Trade Center”.

Na ascensão de grupos radicais que se denominam “islâmicos” e em sua luta contra a política externa norte-americana, a questão religiosa tem função quase acessória. A ideia de que o Islamismo em si fomenta essa situação de conflito é falsa, embora na natureza do Islã existam elementos que podem favorecer esse tipo de fanatismo.

Desde os anos 90, a ONU compreendeu que precisa de uma organização interreligiosa que a ajude em situações de conflito nas quais o elemento religioso esteja presente. Assim nasceu a URI (United Religions Initiative), Iniciativa das Religiões Unidas e outros organismos que a assessoraram em alguns momentos. A cultura religiosa presente em várias instituições, tanto cristãs, como islâmicas precisam ser revistas e modificadas para não ser coniventes com nenhum ato terrorista ou violento que queira utilizar sua linguagem cultural. Nesse sentido, a ONU precisa de uma assessoria de teor teológico e espiritual que possa atuar em situações de conflito como essa que assistimos nesses dias. É preciso preparar melhor as religiões para renunciar ao seu dogmatismo e conviver como irmãs em um mundo pluralista.

[MarceloBarros1] Marcelo Barros, monge beneditino, é biblista de formação e atualmente coordenador latino-americano da Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo (ASETT). É assessor nacional das comunidades eclesiais de base e de movimentos populares. Tem se dedicado especialmente a estudar o pluralismo cultural e religioso e particularmente ao contato com as religiões de matriz afro-descendente. Publicou 44 livros no Brasil, alguns traduzidos em outros idiomas, além de vários livros coletivos, como a coleção “Pelos muitos caminhos de Deus”, sobre teologia pluralista da libertação.

 

Print Friendly

novembro 23rd, 2015 Postado por : vieira Arquivado em: Marcelo Barros

Seja o primeiro a comentar Deixe uma resposta:

Seu e-mail não será publicado.Campos obrigatórios*