Semear ressurreição

Por Marcelo Barros [1]

No calendário de comemorações da Igreja Católica, outubro é considerado mês das missões. Houve épocas em que a missão era compreendida como tarefa de conquistar novos adeptos. Atualmente, cada vez mais um número maior de cristãos compreende que a missão de toda Igreja, discípula de Jesus, é inserir-se na realidade do mundo para testemunhar o projeto divino. E uma Igreja inserida na vida do povo deve ajudar toda pessoa humana, religiosa ou não, cristã, budista ou do Candomblé a descobrir e aprofundar que está no mundo para uma missão de amor e de solidariedade. O Evangelho de Jesus é a boa notícia de que Deus tem um programa a ser realizado no mundo e esse projeto começa a acontecer através de toda pessoa de boa vontade. Nessa perspectiva, evangelizar não significa ensinar uma doutrina, menos ainda converter alguém a uma determinada Igreja. É colaborar para que o projeto divino (o reino) possa se manifestar em todas as ações de justiça, fraternidade e paz. O reinado divino não depende da ação humana, mas Deus quis manifestá-lo através de nós. Os cristãos não podem fazer isso como quem é dono da verdade e precisasse convencer o outro de uma doutrina religiosa. O importante é valorizar os sinais da presença e da atuação divina na vida das pessoas que encontramos, nas realidades concretas do mundo e no caminho das outras religiões com as quais somos chamados/as por Deus a conviver.

Infelizmente, há cristãos que ainda pensam que têm o monopólio de Deus. Como se Deus tivesse assinado um contrato de exclusividade com algum grupo ou religião. Para esses, é bom recordar as narrações dos evangelhos: uma vez os discípulos contaram ao Mestre que tinham encontrado alguém que expulsava o mal das pessoas. Eles proibiram porque a tal pessoa não pertencia ao grupo deles. Jesus os repreendeu dizendo: “Não façam isso. Quem não está contra nós é porque está do nosso lado” (Cf. Lc 9, 49- 50). Os evangelhos mostram Jesus em diálogo com uma mulher samaritana. Dizem que ele curou o filho ou empregado de um oficial romano e a filha de uma cananeia, seguidora de outra religião. Nunca discriminou ou excluiu ninguém.

Atualmente, na sua encíclica sobre o cuidado com a Terra, nossa casa comum, o papa Francisco propõe que formemos uma aliança de toda a humanidade em favor da terra e do ambiente. Nessa caminhada em comum para salvar a Terra e a natureza, as religiões precisam se dar conta de que não basta proclamar que a natureza sinaliza a presença divina ou que a criação é contínua e tem sempre por trás de cada ser vivo um olhar carinhoso de Deus. É preciso mais do que tudo se organizar e se articular para defender essa visão contra um sistema social e econômico que é essencialmente depredador. Dentro da cultura e do modelo econômico capitalista, é impossível uma verdadeira Ecologia. Nesse sentido, foi um ganho fundamental, o papa Francisco ter centrado sua posição sobre a crise ambiental na crítica ao sistema econômico mundial e ter mostrado que somente uma Ecologia integral pode ser solução para a crise atual (Laudatum sii, cap. IV, n. 137 ss).

Para salvar a integridade da vida no planeta, é urgente deter esse modelo de desenvolvimento, essencialmente, antiecológico e, ao mesmo tempo, garantir à toda população pobre o acesso “à Terra, ao trabalho e ao teto”, como o papa reclamou nos seus dois encontros com os representantes dos movimentos sociais. Em um mundo que sofre a ameaça de profundos desequilíbrios climáticos e ambientais, a missão mais urgente de todas as religiões é se integrarem na caminhada da sociedade civil e dos movimentos e organizações sociais em uma ação combinada. Essa aliança em favor do planeta tem sido sugerida por diversos cientistas e atualmente pelo papa. Dentro desse caminho comum, cabe às religiões algumas tarefas próprias e importantes, como, por exemplo, restaurar a dignidade da Política. A maioria de nós concorda que “a hegemonia da Economia sobre a Política, no decorrer dos últimos 30 anos, foi uma catástrofe. Quando essa situação tornou-se incontrolável e sem saída, na crise de 2008, as empresas recorreram de novo à Política. Mas, que tipo de Política?”. É preciso unir todas as pessoas de boa vontade e grupos articulados da sociedade civil para “democratizar a democracia”, ou seja, possibilitar uma verdadeira participação das bases nos processos sociais e políticos. Monsenhor Oscar Romero, arcebispo mártir de El Salvador, afirmava que a verdadeira política tem de ser baseada no cuidado com o bem comum e contar com a participação de todos os cidadãos”.

Ao insistir que a Igreja deve sempre colocar “em saída”, isso é, em uma atitude de serviço ao mundo, o papa sabe que só essa postura de amor poderá trazer às comunidades cristãs uma nova vitalidade. Como disse Jesus no evangelho: “quem quiser poupar a sua vida, acaba perdendo-a e quem arrisca a perder a sua vida (na doação aos outros) a salvará” (Mt 16, 25). Há poucos dias, um amigo comum esteve em São Félix do Araguaia e visitou o nosso querido profeta, o bispo Pedro Casaldáliga. Na conversa em comum, lhe perguntou: Como os cristãos devem compreender sua missão, hoje, no mundo? O profeta Pedro respondeu: “A missão de quem é cristão e das Igrejas é semear ressurreição”.

 

[MarceloBarros1] Marcelo Barros, monge beneditino, é biblista de formação e atualmente coordenador latino-americano da Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo (ASETT). É assessor nacional das comunidades eclesiais de base e de movimentos populares. Tem se dedicado especialmente a estudar o pluralismo cultural e religioso e particularmente ao contato com as religiões de matriz afro-descendente. Publicou 44 livros no Brasil, alguns traduzidos em outros idiomas, além de vários livros coletivos, como a coleção “Pelos muitos caminhos de Deus”, sobre teologia pluralista da libertação.

 

Print Friendly

novembro 05th, 2015 Postado por : vieira Arquivado em: Marcelo Barros

Seja o primeiro a comentar Deixe uma resposta:

Seu e-mail não será publicado.Campos obrigatórios*