Carta de Santa Cruz

Por Marcelo Barros [1]

Para enfrentar os grandes problemas ecológicos e para superar o modelo de organização social que joga as pessoas umas contra as outras, os povos da terra precisam se unir para além dos nacionalismos e de quaisquer ideologias que os dividam. Para isso, é importante que os movimentos sociais e as comunidades de todas as tradições espirituais se unam em um grande mutirão pela construção da paz e da unidade. Essa foi uma das afirmações centrais do Documento final do encontro de movimentos sociais de todo o mundo, reunidos em Santa Cruz de la Sierra, Bolívia, em julho desse ano. Eram mais de 1500 representantes de grupos, organizações e movimentos sociais. Pela segunda vez, foram convocados pelo papa Francisco. Ele os acolheu, recebeu o manifesto votado pelos participantes e os confirmou na missão de reunir a humanidade para um caminho novo de unidade, paz e justiça eco-social.

No final do encontro, a assembleia votou em um documento, chamado “Carta de Santa Cruz”. Nesse texto, todos concordam com o papa que “as problemáticas social e ambiental emergem como duas faces da mesma moeda” e retomam as palavras do papa ao afirmar: Um sistema incapaz de garantir terra, trabalho e teto para todos, um sistema que destrói a paz entre as pessoas e ameaça a própria subsistência da Mãe Terra, não pode continuar a reger o destino do planeta”. Por isso, os representantes dos movimentos sociais ali reunidos afirmam: “Devemos superar um modelo social, econômico e cultural onde o mercado e o dinheiro se converteram nos reguladores das relações humanas em todos os níveis”. Para isso, se comprometem a lutar pacificamente de todos os modos para “impulsionar e aprofundar o processo de mudanças”, “viver bem, em harmonia com a Mãe Terra”, “defender a dignidade do trabalho”, “apoiar o direito humano de todos a uma moradia digna, construir uma verdadeira soberania alimentar que supere a fome e a desnutrição, rejeitar o consumismo e, acima de tudo, defender a solidariedade como projeto de vida”.

O papa respondeu reafirmando que os movimentos sociais têm uma importância fundamental na transformação do mundo. Pediu que as Igrejas cristãs se coloquem em diálogo e junto com eles na construção do projeto divino da paz e da justiça na terra. Embora o papa saiba que não é essa a visão que a maioria dos bispos, padres e pastores têm sobre a missão da Igreja, lembra os evangelhos e o testemunho de Jesus. Insiste que a Igreja deve voltar-se para o mundo e ser uma “Igreja em saída de si mesma”. Há 50 anos, o Concílio Vaticano II promulgou a Constituição pastoral sobre a Igreja no mundo de hoje. Nela, os bispos católicos de todo o mundo afirmaram que “as alegrias e esperanças, tristezas e dores de toda a humanidade são as alegrias e esperanças, tristezas e dores que a Igreja deve viver”. A partir dali, surgiram as pastorais sociais e a decisão de colocar a Igreja “a serviço das causas mais urgentes e fundamentais da libertação de todos os povos e de cada pessoa humana” (Medellin 5, 15).

Ao completar 50 anos desse documento, o papa Francisco convida a Igreja Católica a entrar em um “ano da misericórdia”, compreendida como a solidariedade divina, no cuidado permanente com a terra e com toda a humanidade.

No Brasil atual, muitos dos mais importantes meios de comunicação social insistem em apresentar a realidade do país como um desastre total e como um fracasso sem saída. Quem tem consciência social sabe que a verdade não é essa. Enfrentamos muitos problemas e as soluções não virão dos palácios. Nem podemos confiar no Congresso, dominado por figuras que estão ali, não para representar o povo e sim para defender interesses corporativos, seus e das empresas que financiaram suas candidaturas. Na Bolívia, o papa afirmou aos movimentos sociais: “Sob o nobre disfarce da luta contra a corrupção, vemos que se impõem aos governos medidas que nada têm a ver com a resolução dos problemas e muitas vezes tornam as coisas ainda piores”.

Nossa esperança só poderá vir das organizações sociais de base e das lutas pacíficas que esses grupos farão para transformar a sociedade. É tarefa de todos os cidadãos e cidadãs apoiar essas lutas e participar desse processo de transformação. As pessoas que creem fazem isso como sinal de que Deus tem para o mundo um projeto de paz, justiça e comunhão com a natureza e é nossa missão fazer tudo para esse projeto aconteça. Diariamente, os cristãos oram ao Pai: “venha a nós o teu reino”.

[MarceloBarros1] Marcelo Barros, monge beneditino, é biblista de formação e atualmente coordenador latino-americano da Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo (ASETT). É assessor nacional das comunidades eclesiais de base e de movimentos populares. Tem se dedicado especialmente a estudar o pluralismo cultural e religioso e particularmente ao contato com as religiões de matriz afro-descendente. Publicou 44 livros no Brasil, alguns traduzidos em outros idiomas, além de vários livros coletivos, como a coleção “Pelos muitos caminhos de Deus”, sobre teologia pluralista da libertação.

 

Print Friendly

agosto 26th, 2015 Postado por : vieira Arquivado em: Marcelo Barros

Seja o primeiro a comentar Deixe uma resposta:

Seu e-mail não será publicado.Campos obrigatórios*