Meios de comunicação e democracia

Por Marcelo Barros [1]

Na semana passada, a ONU comemorou o “dia internacional pela liberdade dos meios de comunicação” e no próximo domingo, 17, celebra o “dia das telecomunicações”. Atualmente, o telefone celular e a internet nos ligam, em tempo real, ao mundo inteiro. No entanto, são ainda os noticiários da televisão e do rádio que mais formam a opinião pública.

De um lado, os proprietários das redes de rádio, televisão e jornal veem qualquer tentativa de regulação desses meios como censura e ataque à liberdade de imprensa. Do outro lado, cada dia fica mais claro que as grandes agências de comunicação servem aos interesses das elites econômicas, até porque em quase todos os países, poucas famílias possuem os meios de comunicação e sempre têm grandes interesses comerciais. As grandes agências de notícias norte-americanas são propriedades das mesmas empresas que possuem  as companhias de petróleo e indústrias de armamento.  

No Brasil e em outros países do continente, as televisões privilegiam programas que investem em preconceitos sociais, ridicularizam direitos humanos e fazem propaganda subliminar a favor da pena de morte. Sob a direção do presidente da Câmara Federal, pregam a diminuição da idade penal, como se colocar adolescentes em prisões resolvesse o problema da violência nas cidades. Além disso, criminalizam os movimentos populares e atacam de todos os modos qualquer governo que, na América Latina, pretenda transformar a sociedade. As pessoas que têm sua opinião formada através desses meios de comunicação chegam a pensar que, no Brasil, só existem corrupção política e violência e essa situação é culpa do governo federal. De fato, esse tem cometido erros e tem sua parcela de culpa, mas de um modo e por fatores contrários  a aqueles que os meios de comunicação apontam.

 Há exatamente um mês, nos dias 11 e 12 de abril, em Belo Horizonte, ocorreu o 2o Encontro Nacional pelo Direito à Comunicação. Ali mais de 700 pessoas ligadas ao trabalho da comunicação e aos movimentos sociais se reuniram e reafirmaram a necessidade urgente do Brasil ter instrumentos de regulação democrática dos meios de comunicação. Em sua carta de conclusão, os/as participantes desse encontro pedem ao governo de abrir oficialmente esse debate na sociedade e concluem: “A defesa da democracia é uma das principais bandeiras de luta da sociedade brasileira. E a construção de uma sociedade verdadeiramente democrática só se realiza se houver liberdade de expressão para todos e todas. Isso pressupõe a garantia do direito à comunicação” (Cf. Brasil de Fato, 16/04/2015, p. 08).

De fato, a sociedade brasileira nunca deveria aceitar que pais de família, apenas acusados de corrupção, mas não condenados por nenhum tribunal, tenham sua fotografia em capas de revista e cartazes com seu nome estampado e embaixo a legenda: “Dez anos de corrupção”. E isso é feito sem que nenhuma defesa real possa ser apresentada. É um linchamento público no estilo do velho oeste norte-americano, sem respeitar as famílias envolvidas, filhos de menor idade, apenas para saciar o ódio de classe da velha elite que não se conforma em ter sido derrotada nas últimas eleições presidenciais.  

Para os cristãos, o termo evangelho significa boa notícia no sentido do anúncio de que Deus tem um programa para o mundo. Todos nós somos chamados a testemunhar e colaborar com essa novidade. Por isso, atualmente, muitas vezes, são os/as jornalistas verdadeiramente éticos/as e profissionais de comunicação que assumem a função de verdadeiros evangelizadores, não de doutrinas religiosas e sim do projeto divino de justiça e paz para o mundo. Através desses profissionais, os meios de comunicação podem cumprir sua função de fazer desse mundo um planeta de paz e de convivência amorosa entre todos os seres humanos e em comunhão com a Terra e toda a natureza.

[MarceloBarros1] Marcelo Barros, monge beneditino, é biblista de formação e atualmente coordenador latino-americano da Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo (ASETT). É assessor nacional das comunidades eclesiais de base e de movimentos populares. Tem se dedicado especialmente a estudar o pluralismo cultural e religioso e particularmente ao contato com as religiões de matriz afro-descendente. Publicou 44 livros no Brasil, alguns traduzidos em outros idiomas, além de vários livros coletivos, como a coleção “Pelos muitos caminhos de Deus”, sobre teologia pluralista da libertação.

Print Friendly, PDF & Email

maio 12th, 2015 Postado por : vieira Arquivado em: Marcelo Barros

Seja o primeiro a comentar Deixe uma resposta:

Seu e-mail não será publicado.Campos obrigatórios*