O ativo esperar da vigilância

Por Marcelo Barros [1]

A cada ano, as Igrejas cristãs mais antigas dedicam as semanas antes do Natal a cultivar a expectativa da realização do projeto divino no mundo. Lembrar o nascimento de Jesus na festa do Natal é um modo de afirmar que a promessa feita por Deus de um mundo renovado pela justiça e pela paz é atual e possível. Ele se realiza por iniciativa divina, mas através de nós. Por nosso modo de viver, devemos testemunhar que ele vem e podemos apontar sinais concretos de sua vinda. É claro que isso pede de nós sermos capazes de ver sinais da madrugada que vem mesmo na mais escura das noites.

No tempo da ditadura brasileira, Geraldo Vandré cantava: “Quem sabe faz a hora. Não espera acontecer”. Ele tinha razão em rejeitar uma esperança passiva e acomodada de quem, passivamente, espera que, por si mesmas, as coisas aconteçam. Não é essa a perspectiva da fé cristã. Menos ainda a nossa forma de viver esse tempo de espera, ao qual, cada ano, a celebração do Natal nos convida. Desde antigamente, as Igrejas denominam as semanas anteriores ao Natal de tempo do Advento. Em latim, advento significa “vinda”. Conota um modo de esperar muito particular. Propõe aguardarmos a realização do projeto divino no mundo, do mesmo modo como, a cada noite, o guarda noturno espera ansiosamente que o dia desponte. Essa espera vigilante é ativa e colabora para que o dia nasça em paz. Como a tradição cristã acentua que é a manifestação da presença de Jesus que marcará a chegada definitiva do reinado divino, os evangelhos nos convidam a esperá-lo como servos que aguardam, preparados e atentos, a vinda do Senhor.

Até hoje, há cristãos que reduzem o Natal a uma memória sentimental do nascimento do menino Jesus. Nunca foi essa a perspectiva pela qual as Igrejas celebraram o Natal. Os antigos pastores ensinavam que não adianta lembrar o nascimento de Jesus em Belém se, hoje, não fizermos do nosso ser interior um presépio para acolher não apenas o menino Jesus, mas o projeto pelo qual, um dia, ele nasceu nesse mundo. Para isso, é preciso que leiamos a nossa fé e interpretemos toda a Bíblia como revelação desse projeto. Há cristãos que se mantêm na fé por costume ou por conveniência religiosa. Apesar de serem pessoas religiosas, não veem claro esse projeto divino em suas vidas. Por causa disso, muitas vezes, não têm clara a sua missão no mundo. Falta-lhes um motivo maior pelo qual viver. Ao mesmo tempo, há pessoas não religiosas que não creem em Deus e, de algum modo, descobrem em suas vidas, esse projeto de paz, justiça e cuidado amoroso da natureza.

As Igrejas cristãs celebram o Natal no mesmo mês em que as sinagogas judaicas recordam a festa de Hanuká, aniversário da dedicação do templo de Jerusalém e da retomada da independência do povo de Deus no tempo dos Macabeus. Provavelmente, foi durante essa festa que, um dia, Jesus foi ao templo e chocou os sacerdotes e pessoas religiosas. Expulsou dali os vendedores de animais para os sacrifícios. Fez isso para mostrar que Deus não precisa de templos, nem de sacrifícios religiosos

Tanto a tradição cristã quanto outros caminhos religiosos ensinam que o templo da presença divina no mundo é todo ser vivo e todo o universo como sinal de uma inteligência amorosa que conduz cada ser à vida e a tudo governa. A memória do nascimento de Jesus de Nazaré na festa do Natal não é apenas para enganarmos nossa solidão com um aumento do consumo, mas para armarmos um presépio vivo em nosso coração e vermos todo o universo como templo vivo da presença divina no mundo.


[MarceloBarros1] Marcelo Barros, monge beneditino, é biblista de formação e atualmente coordenador latino-americano da Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo (ASETT). É assessor nacional das comunidades eclesiais de base e de movimentos populares. Tem se dedicado especialmente a estudar o pluralismo cultural e religioso e particularmente ao contato com as religiões de matriz afro-descendente. Publicou 44 livros no Brasil, alguns traduzidos em outros idiomas, além de vários livros coletivos, como a coleção “Pelos muitos caminhos de Deus”, sobre teologia pluralista da libertação.

Print Friendly
dezembro 03rd, 2014 Postado por : vieira Arquivado em: Marcelo Barros

Seja o primeiro a comentar Deixe uma resposta:

Seu e-mail não será publicado.Campos obrigatórios*