Muitas Igrejas, uma só Igreja

Por Marcelo Barros [1]

Ninguém sabe responder quantas Igrejas cristãs existem no mundo. A cada dia, na periferia, ou no centro de alguma cidade, um novo missionário ou homem de Deus funda uma Igreja nova. Em um mundo pluralista como é o nosso, essa multiplicidade de confissões cristãs parece não espantar a muita gente e tem o lado bom de oferecer possibilidades diversas para se viver a fé. No entanto, a diversidade não deveria acarretar testemunhos contrários que podem deixar as pessoas mais confusas. Nesses dias, os jornais publicaram: “O Conselho Mundial de Igrejas (que reúne 348 Igrejas evangélicas e ortodoxas em todo o mundo) se posiciona contra o ataque de Israel aos palestinos” . Um dia, depois, os mesmos jornais noticiam: “Líderes evangélicos (pentecostais brasileiros) se posicionam a favor de Israel e contra a posição do governo brasileiro que criticou a guerra”. Mesmo quem não entende muito de Igreja, nem está a par das divisões cristãs acha estranho essas contradições. O testemunho da paz é a própria missão de uma Igreja que segue Jesus como mestre. Essas divergências sobre pontos tão importantes só podem enfraquecer a missão dos cristãos no mundo.

Exatamente, por esse tipo de problemas, já há mais de um século, em 1910, teve início o movimento ecumênico. Naquele ano, se reuniram pastores e missionários de várias Igrejas que tinham missões na Ásia. O encontro em Estocolmo (Suécia) foi provocado pelos asiáticos que tinham dito aos missionários europeus: “Vocês pregam o Cristo, cada um de um modo e contra o jeito do outro. Isso não nos ajuda. Coloquem-se de acordo. Somente quando concordarem com uma pregação comum, venham e, então, os ouviremos”. Pela necessidade de se colocarem de acordo sobre  que pregam aos outros, naquela conferência internacional sobre a missão, pastores de várias confissões deram origem ao movimento pela unidade do Cristianismo. Mais tarde, em agosto de 1948, em Genebra, foi fundado o Conselho Mundial de Igrejas que, atualmente, reúne 348 Igrejas do mundo todo e vários movimentos missionários e educacionais. Nesses dias, ao comemorar o aniversário desse Conselho, vale a pena recordar o seu objetivo e como ele é importante para o Cristianismo e para o mundo. O Conselho Mundial de Igrejas não pretende ser uma super-igreja ou uma instituição que substitua as Igrejas particulares. Ele é uma irmandade de Igrejas cristãs. Baseia-se na fé comum que é, essencialmente, a mesma entre todas as Igrejas e tem como objetivo a missão de dar ao mundo o testemunho de que Deus é Amor. Ele tem um projeto de vida, paz e justiça para toda a humanidade e pede cuidado com a sua criação (a natureza). Conforme o pensamento do CMI, a unidade cristã não deve ocorrer através de alguma uniformidade institucional e sim por meio do que se chama “diversidade reconciliada”. Essa convicção se apoia no ensinamento dos antigos teólogos cristãos que diziam: “A unidade abole a divisão, mas respeita e até valoriza as diferenças”. Essa sadia diversidade enriquece o conjunto das Igrejas e revela que, juntas, elas formam um só Cristianismo, como, nos anos 60, afirmava Atenágoras, antigo patriarca de Constantinopla.

No decorrer de sua história, o CMI (Conselho Mundial de Igrejas) deu uma colaboração efetiva e importante para acabar com o apartheid na África do Sul, assim como ajudou nas lutas por direitos humanos e liberdade na América Latina. Coordena programas que ajudam na promoção humana e libertação definitiva dos povos da África e defende os direitos coletivos dos índios e de comunidades minoritárias como ciganos e nômades. Prega não somente o respeito a outras tradições religiosas, como o Judaísmo, o Islã, o Budismo, as religiões orientais, as tradições indígenas e afrodescendentes.

 Assim, absolutamente coerente com sua história e com sua tradição, atualmente, o CMI se pronuncia contra o modo violento e injusto com o qual o Estado de Israel tem ocupado militarmente os territórios palestinos e subjugado esse povo a uma opressão vergonhosa. Nesse novo aniversário do CMI, é animador para toda a humanidade saber que ainda pode contar com a profecia comunitária dessa voz de tantas Igrejas e movimentos cristãos reunidos em favor da paz, da justiça e da defesa da criação (da natureza). 

MarceloBarros[1] Marcelo Barros, monge beneditino, é biblista de formação e atualmente coordenador latino-americano da Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo (ASETT). É assessor nacional das comunidades eclesiais de base e de movimentos populares. Tem se dedicado especialmente a estudar o pluralismo cultural e religioso e particularmente ao contato com as religiões de matriz afro-descendente. Publicou 44 livros no Brasil, alguns traduzidos em outros idiomas, além de vários livros coletivos, como a coleção “Pelos muitos caminhos de Deus”, sobre teologia pluralista da libertação.

Print Friendly, PDF & Email
agosto 19th, 2014 Postado por : vieira Arquivado em: Marcelo Barros

Seja o primeiro a comentar Deixe uma resposta:

Seu e-mail não será publicado.Campos obrigatórios*