O melhor presente de Natal

Por Marcelo Barros [1]

Nessa semana antes do Natal, muita gente se pergunta que presente pode dar às pessoas e tem também quem se sinta responsável por elaborar alguma mensagem ou palavra a dizer no começo das festas de confraternização comuns nessa época do ano. Aqui deixo minhas sugestões. Ao enfrentar a agressividade do trânsito em nossas grandes cidades, ao testemunhar a violência urbana de cada dia e ver ou ouvir os noticiários restritos a crimes e escândalos nacionais, alguém mais sensível pode concluir: este mundo está perdido. Nesse contexto, os enfeites de Natal, ao invés de mostrar o colorido da festa, parecem ressaltar o vermelho do sangue. As melodias de Papai Noel podem acirrar ainda mais a voracidade do comércio. E, nesse contexto, fica mais difícil ainda escolher um significativo presente de Natal. Se eu pudesse, proporia que cada um oferecesse a si mesmo/a e às pessoas que ama lentes novas e diferentes para ver o mundo.

Nesses dias, os organismos encarregados da segurança no Recife espalharam pelo centro da cidade várias câmaras de vídeo para filmar atos de violência e culpar os responsáveis. De fato, conseguiram captar flagrantes de assaltos, roubos e outros incidentes de violência cotidiana. No entanto, depois do primeiro dia, a equipe encarregada de rever as imagens gravadas se espantou. Constatou uma coisa surpreendente. De fato, além dos incidentes de agressões que, de fato, ocorreram, as imagens mostravam cenas comoventes de pessoas anônimas que ajudavam as outras. Anciãos apoiados para atravessar uma rua. Jovens se dispunham a carregar pacotes de pessoas cansadas. E muitas outras amostras de solidariedade humana. O mais surpreendente foi que as cenas de bondade e solidariedade das pessoas eram muito mais numerosas do que os incidentes de violência. A equipe especializada em investigar crimes precisou mudar sua perspectiva de visão para constatar o que não esperava ver e concluir o contrário daquilo que era a sua expectativa. Aquelas pessoas descobriram que o Brasil não está tão mal, nem as pessoas são tão más, como diariamente as redes de televisão e grande parte da imprensa comercial fazem questão de mostrar. Ao contrário, há amor e solidariedade, escondidos em cada coração humano e doidos para ser desenterrados. Mesmo que da manhã à noite, sejamos atordoados por programas que mostram o mundo se acabando com muitos crimes hediondos, defendem a violência policial e insinuam a urgência da pena de morte, é possível ver algo diferente e apresentar o reverso da história. Esse pode ser o melhor presente a ser intercambiado nesse Natal. Sua Santidade, o Dalai Lama percorre o mundo inteiro para propagar que em cada pessoa existe uma semente de compaixão. Segundo ele, a tarefa essencial é ajudar as pessoas a fazer desabrochar e cultivar essa planta em sua vida. Atualmente, o papa Francisco insiste em que redescubramos a alegria da boa notícia de que Deus tem para o mundo um projeto de amor. Jesus nos revelou: Deus assumiu a condição humana para fazer com todo ser humano possa se tornar divino. Essa é a mensagem do Natal. Se assimilarmos isso e espalharmos essa notícia, podemos contribuir para um renascimento de esperança. O poeta francês Charles Peguy afirmava: “A esperança é uma menina. Ela é encarregada de sempre recriar, onde o hábito é acomodar-se. Ela semeia inícios, onde a tendência é propagar a decadência. Ela suscita vida nova, onde o ritual é a rotina”. Que o nosso presente de Natal, a nós mesmos e uns para os outros seja essa esperança, que como cantava a canção, é equilibrista, mas sempre capaz de, sem se machucar, andar na corda bamba de sobrinha e ensaiar assim o mundo novo que a cada dia renasce a partir do amor e da solidariedade humana.

monge-marcelo-barros-mst1-600x520[1] Marcelo Barros, monge beneditino, é biblista de formação e atualmente coordenador latino-americano da Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo (ASETT). É assessor nacional das comunidades eclesiais de base e de movimentos populares. Tem se dedicado especialmente a estudar o pluralismo cultural e religioso e particularmente ao contato com as religiões de matriz afro-descendente. Publicou 44 livros no Brasil, alguns traduzidos em outros idiomas, além de vários livros coletivos, como a coleção “Pelos muitos caminhos de Deus”, sobre teologia pluralista da libertação.

Print Friendly, PDF & Email
dezembro 16th, 2013 Postado por : vieira Arquivado em: Marcelo Barros

Seja o primeiro a comentar Deixe uma resposta:

Seu e-mail não será publicado.Campos obrigatórios*