O clima não espera

Por Marcelo Barros [1]

 

Há poucos dias, encerrou-se a 14ª conferência mundial do clima. Em Varsóvia, delegações de 200 países conseguiram definir as bases de um novo acordo sobre as mudanças climáticas no mundo. Esse acerto deveria ir além do protocolo de Kyoto em 1997 e receber a adesão dos países que mais poluem a atmosfera. Afinal, desde setembro, a ONU e outros organismos internacionais emitiram vários relatórios sobre a situação atual do aquecimento global. Entre esses, estão o IPCC, painel da ONU sobre o clima, o Relatório sobre o estado dos Oceanos (IPSO) e, finalmente, a Organização de Meteorologia Mundial em Genebra. Todos alertaram: os efeitos do aquecimento do planeta estão ocorrendo de forma cada vez mais frequente e mais forte. Não se pode provar que o aquecimento global seja a causa de fenômenos devastadores como o tufão ocorrido há poucos dias nas Filipinas e as inundações que, nesses dias, assolaram a Sardenha e algumas regiões dos Estados Unidos. Entretanto, os estudiosos sabem: os ciclones se formam quando o mar chega a certa temperatura e as pesquisas revelam: nos últimos anos, o nível de calor da água dos mares tem subido muito. Uma das regiões que mais tem sofrido esse aquecimento é justamente a área do Pacífico onde ficam as Filipinas. Nessa região, moram 92 milhões de pessoas.

A frequência cada vez mais contínua e a intensidade terrível desses fenômenos têm mostrado que a humanidade não pode mais esperar pacientemente soluções dos governos. Esses se limitam quase somente a assinar documentos que propõem mudanças mais simbólicas do que reais. E, mesmo assinados, esses acordos só passam a valer depois de dois ou três anos e por um tempo restrito. Ora, cada ano é de fundamental importância para impedir um aumento de dois graus centígrados na temperatura mundial, ponto a partir do qual, segundo os técnicos, a situação climática se tornará verdadeiramente desastrosa.

Até hoje, o governo dos Estados Unidos não aceitou assinar nenhum acordo sobre o clima. E países como Japão, Canadá, Rússia e China que assinaram Kyoto não cumpriram o prometido. Por outro lado, quem mais sofre com os desastres ecológicos é sempre a população mais pobre. Os Estados Unidos, Canadá, China e Alemanha são os países que mais poluem. No entanto, a natureza parece ter escolhido as Filipinas, a Coreia, a costa asiática e o Caribe para mandar seus recados à humanidade. Em geral, são os habitantes pobres de regiões periféricas que sofrem mais os desastres ecológicos, que sejam os tufões do Oceano Índico, os furacões do Atlântico e os ciclones do Pacífico. Mesmo quando esses torpedos da natureza se abatem sobre áreas ricas dos Estados Unidos, Canadá e Europa, os terrenos mais atingidos e habitações mais destruídas são sempre os que estão em áreas de risco e nas quais a população mais pobre tenta sobreviver.

Na América Latina, os povos indígenas e as comunidades populares sabem que não se pode esperar muito da maioria de nossos governos. Esses ainda parecem servir mais ao interesse das grandes empresas que se beneficiam com esse modelo de desenvolvimento depredador do que ao conjunto dos cidadãos do país. Por isso, as organizações indígenas e de lavradores se mobilizam em sucessivos encontros para salvar a mãe Terra. Tomam decisões justas e acertadas para lutar contra a lógica desumana e antiecológica do agronegócio, assim como contra a difusão das sementes transgênicas e agrotóxicos.

Para as comunidades cristãs, o Natal celebra o nascimento de Jesus, mas a festa começou com as comemorações do solstício do inverno e a celebração da vida que começa a renascer. Hoje, diante da crise ecológica que ameaça o planeta, é bom que nossa festa de Natal, sem deixar a memória do nascimento de Jesus, retomasse a dimensão de cuidado com a terra, a água e toda a natureza que nos cerca.

monge-marcelo-barros-mst1-600x520[1] Marcelo Barros, monge beneditino, é biblista de formação e atualmente coordenador latino-americano da Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo (ASETT). É assessor nacional das comunidades eclesiais de base e de movimentos populares. Tem se dedicado especialmente a estudar o pluralismo cultural e religioso e particularmente ao contato com as religiões de matriz afro-descendente. Publicou 44 livros no Brasil, alguns traduzidos em outros idiomas, além de vários livros coletivos, como a coleção “Pelos muitos caminhos de Deus”, sobre teologia pluralista da libertação.

Print Friendly, PDF & Email
dezembro 02nd, 2013 Postado por : vieira Arquivado em: Marcelo Barros

Seja o primeiro a comentar Deixe uma resposta:

Seu e-mail não será publicado.Campos obrigatórios*