O desafio do diálogo

Por Marcelo Barros [1]

Quando os cristãos afirmam que Deus é comunhão, atestam que o diálogo é a forma de comunicação mais profunda que a humanidade tem para caminhar para a unidade. Em sua primeira carta encíclica, o papa Paulo VI dizia que o diálogo é um ato divino, porque foi Deus que iniciou o diálogo com a humanidade. Quando nos colocamos em uma postura de acolhimento e diálogo com alguém diferente de nós, estamos fazendo algo que recebemos como vocação do próprio Criador.

Durante a sua historia, as Igrejas sempre tiveram dificuldade de conjugar a convicção de terem a revelação divina com a abertura necessária ao pensamento e modo de crer dos outros grupos e pessoas. Francisco, o novo bispo de Roma e primaz das Igrejas em comunhão com a Igreja Católica Romana, chama a atenção do mundo pela sua forma simples de se comunicar. Ele parece retomar um dialogo da hierarquia da Igreja com a humanidade que, no inicio dos anos 60, o papa João XXIII iniciou. Nessa semana, o mundo recorda que, há exatamente 50 anos, no dia 03 de junho de 1963, João XXIII partia para Deus. O mundo o chamou de “o papa bom”. Era um homem interiormente livre e evangélico. Fazia questão de se apresentar assim. Conhecia bem a estrutura histórica do Vaticano com a qual devia sempre lidar. Quando anunciou ao mundo que Deus lhe inspirara a ideia de convocar todos os bispos do mundo para um concilio ecumênico, seus auxiliares diretos não compreenderam e manifestaram sua estranheza. O papa insistiu que queria renovar a Igreja Catolica e prepará-la melhor para a unidade com as outras Igrejas. Precisou de mais de três anos (de janeiro de 1959 a outubro de 1962) para ver-se realizar o seu sonho. Quando o Concilio começou, dirigiu a primeira sessão do Concilio e alguns meses depois partiu, deixando-nos uma herança maravilhosa que nem sempre foi bem valorizada.

Foi o primeiro papa a receber no Vaticano o primeiro ministro da União Soviética comunista, e atuou como mediador de paz entre Estados Unidos e Rússia na crise dos mísseis nucleares. Em 2012 passava a ser o único papa na história a ganhar o premio Nobel da Paz.

Graças a Deus, Paulo VI, o papa que o sucedeu, compreendeu o seu espírito. Embora fosse um homem tímido e com outro temperamento e sensibilidade diferente de João XXIII, soube prosseguir o trabalho e continuar o concílio iniciado. Afirmou que a época das condenações e do dogmatismo tinha acabado. A missão da Igreja deve ser sempre dialogar e conviver com a diversidade sem se impor. Para o diálogo ser sincero e profundo, cada parte do diálogo deve assumir sua identidade própria e tem toda liberdade de expressar seus pontos de vista, desde que aceite escutar a outra parte e o diálogo possibilite uma evolução de todas as partes na direção de um ponto comum e de descoberta sempre mais ampla da verdade. Há uma agenda imensa para o dialogo entre as hierarquias religiosas e a sociedade civil: a relação da fé com ciência, as novas questões da bioética, a abertura pastoral às situações concretas da ética sexual, o compromisso da fé com uma política justa e comprometida com a transformação do mundo e assim por diante. O aniversário da partida de João XXIII nos recorda: durante a sua longa agonia, o papa bom revelou que desejava oferecer a Deus os seus sofrimentos e sua própria vida pela unidade dos cristãos. Agora, 50 anos depois, apesar de que as Igrejas históricas fizeram um bom caminho, ainda falta muito para chegarmos à plena unidade visível das Igrejas. Essa união na diversidade pode ser muito fortalecida pelo diálogo fraterno. Pode ser que, nesse diálogo, a Igreja não tenha resposta para muitos problemas, mas ela pode sim ajudar a humanidade a abrir-se mais à diversidade das culturas, a tornar o mundo mais humano e a aprofundar a vocação humana para uma amortização sempre maior que em nós é conduzida e feita pelo Espírito de Deus.

 

Marcelo Barros[1] Marcelo Barros, monge beneditino, é biblista de formação e atualmente coordenador latino-americano da Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo (ASETT). É assessor nacional das comunidades eclesiais de base e de movimentos populares. Tem se dedicado especialmente a estudar o pluralismo cultural e religioso e particularmente ao contato com as religiões de matriz afro-descendente. Publicou 44 livros no Brasil, alguns traduzidos em outros idiomas, além de vários livros coletivos, como a coleção “Pelos muitos caminhos de Deus”, sobre teologia pluralista da libertação.

Print Friendly, PDF & Email
junho 03rd, 2013 Postado por : vieira Arquivado em: Eventos, Notícias, Projetos, Publicações

Seja o primeiro a comentar Deixe uma resposta: