Delegado é nomeado para investigar morte de agricultor

Fonte Radioagência NP

Diante da pressão popular, a Secretaria de Defesa Social de Pernambuco (PDS) designou um delegado para cuidar da apuração da morte de Zito José Gomes. O agricultor foi assassinado no dia 19 de maio no município de Pombos, nas proximidades de um acampamento de trabalhadores sem terra, instalado na usina Nossa Senhora do Carmo.

De acordo com o integrante da Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar de Pernambuco (Fetraf/PE) João Santos da Silva, o crime foi motivado pela disputa de terras na região.

“O que o Zito fazia, de fato, era organizar o acampamento, fazia a discussão política no município em relação à reforma agrária. Era uma luta incansável, há sete anos conosco. O Zito estava lutando pela desapropriação e isso incomodou a usina e os inimigos da reforma agrária. Não temos dúvidas de que a morte do companheiro tem conotação política e econômica.”

Ainda segundo João Santos, as mortes de um advogado, um músico e um agricultor ainda não foram apuradas. Ele lembra que a violência se intensificou no município há 12 anos, quando as terras improdutivas da usina foram ocupadas.

“Eles ainda têm a usina como uma reserva de poder. Estão lutando contra a desapropriação das terras. E tem gente forte por trás disso.”

O delegado que investigará a morte do agricultor tem prazo de 15 dias para apresentar um relatório preliminar, mas João Santos enxerga dificuldades no processo.

“Pombos é uma cidade sem lei. É a lei da pistola, do dinheiro, dos poderosos.”

De São Paulo, da Radioagência NP, Jorge Américo. 25/05/10

Print Friendly
maio 26th, 2010 Postado por admin Arquivado em: Notícias

Seja o primeiro a comentar Deixe uma resposta:

Seu e-mail não será publicado.Campos obrigatórios*