Mobilidade urbana nos Excluídos

Diario de Pernambuco
Vida Urbana

 

Imagem: Bernardo Dantas/DP/D.A Press
A 17ª edição do Grito dos Excluídos, no Recife, foi marcada pelos protestos políticos e sociais, mas também pela irreverência e discussão quanto à necessidade de projetos para a mobilidade urbana. Na manhã de ontem, centenas de pessoas caminharam e dançaram pela Avenida Conde da Boa Vista até o Pátio do Carmo, no centro da cidade. Neste ano, o tema do desfile foi “Pela vida grita a terra… Por direitos todos nós.”
Os manifestantes protestaram contra o uso indiscriminado dos agrotóxicos e também destacaram a necessidade da Reforma Política. Mas os assuntos pouco chamaram a atenção dos participantes e transeuntes que assistiam à passeata. A aposentada Dalce Siqueira, 65 anos, era só sorrisos. “Todos os anos, participo do Grito dos Excluídos. Mas nada de protestos. Estou aqui a favor da liberdade e da nossa cultura, que é muito rica”, disse. Personagens engraçados não faltaram para divertir o público. Até a “presidente Dilma e o Lula” estavam presentes. Com um cartaz, eles apresentavam o novo programa a ser lançado: o “Bolsa Mulher”. “O benefício é a inclusão da lipoaspiração, do botox e do silicone”, contou a personagem.
O grupo Bicicletada, formado por cerca de 20 ciclistas, reivindicou mais espaço nas ruas. “Estamos participando do evento para discutir a mobilidade urbana. Mais bicicletas nas ruas e menos carros. Toda última sexta-feira do mês, também fazemos a corrida pelo centro do Recife. É uma forma de chamar a atenção do governo”, contou o barman Guto Andrade, 24. As saídas acontecem sempre às 19h, nas proximidades da Praça do Derby. Cerca de 50 pessoas participam.
Cartazes de movimentos socialistas, bandeira do público GLBT, faixas com pedido de repasse de verba para a educação. O Grito dos Excluídos ainda contou com discussão sobre reforma agrária, diminuição de impostos e melhoria da qualidade de vida.

 

Print Friendly, PDF & Email
setembro 08th, 2011 Postado por : admin Arquivado em: Eventos, Notícias

Seja o primeiro a comentar Deixe uma resposta:

Seu e-mail não será publicado.Campos obrigatórios*