Homenagem ao Dia Internacional da Mulher

Esta semana vamos publicar a cada dia a vida e obra de uma fotógrafa. Os trabalhos foram produzidos pelos alunos na disciplina de História da Fotografia em 2014.1 ministrada pela Profª. Ms. Julianna Nascimento Torezani. Já falamos de Margaret Bourke-White, Dorothea Lange e Diane Arbus, hoje vamos abordar a obra fotográfica da brasileira Paula Sampaio.

 

Paula Sampaio

Por Karina Galvão

Brasileira, nascida em Belo Horizonte, Minas Gerais em 1965, Paula Gomes Sampaio mudou-se com a família para a Amazônia ainda criança, iniciando sua carreira profissional no fotojornalismo em 1987 nos jornais Diário do Pará e O Liberal, em Belém, no Pará, cidade onde escolheu viver e trabalhar desde 1982.

Graduou-se em Comunicação Social pela Universidade Federal do Pará (UFPA) em 1990 e se especializou em Comunicação e Semiótica pela PUC/MG em 1996, além de ter freqüentado oficinas da Fotoativa e atuado na Comissão dos Repórteres Fotográficos do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Pará (SAMPAIO, 2013; ITAÚ CULTURAL, 2013).

Ainda nos anos 1990, de acordo com artigo do Itaú Cultural (2013), Sampaio inicia o projeto de documentação das populações que vivem às margens de grandes rodovias abertas na Região Amazônica, como a Transamazônica e a Belém-Brasília. Seus trabalhos têm como foco os processos de ocupação e colonização da região, as memórias orais e o patrimônio imaterial das comunidades (SAMPAIO, 2013).

Com esse ensaio, intitulado Fronteiras, Paula Sampaio conquistou vários prêmios, incluindo o 4º Prêmio Marc Ferrez de Fotografia, da Fundação Nacional de Arte, em 1993, além de uma bolsa no Fundo Internacional Mother Jones para Fotografia Documental nos Estados Unidos, em 1997 (ITAÚ CULTURAL, 2013).

Em Antônios e Cândidas Têm Sonhos de Sorte, iniciado em 1990, em paralelo à documentação de Fronteiras, Paula Sampaio materializa em imagens as histórias contadas por homens e mulheres e seus “escritos e memórias orais entrelaçadas nesse imenso território onde pulsam sonhos de sorte, neste Brasil do Norte” (SAMPAIO, 2005). Este projeto ainda foi premiado com uma Bolsa Vitae de Pesquisa em Arte (Fundação Vitae), de São Paulo, em 2004.

Além dos projetos de longa duração, a fotógrafa constrói séries que são reflexões sobre a natureza e a fragilidade dos seres, nos quais texto e imagem formam um enunciado de ações cotidianas (SAMPAIO, 2013).

Atualmente, Sampaio é repórter-fotográfica do jornal O Liberal (1988 – 2013) e assessora técnica do Centro Cultural SESC Boulevard (2009 – 2013). Continua desenvolvendo seus ensaios e projetos, como o ensaio em andamento O Lago do Esquecimento e o projeto Folhas Impressas (SAMPAIO, 2013).

“A fotografia de Paula Sampaio está atravessada por suas memórias infantis e de suas preocupações com questões sociais. São pautadas pelo incômodo, pela impertinência e pelo posicionamento limítrofe entre sonho e realidade, melancolia e êxtase” (PENAFORTE, 2011).

Em sua página na WEB, a fotógrafa fala um pouco sobre as Rotas que percorrem a Amazônia e a essência de seus principais trabalhos:

É meu destino percorrer esse corpo amazônico. Sua pele, tatuada de rios, florestas e rastros de seres de todo tipo, é um organismo imponderável. Mas é na rota das longas e trágicas estradas da região que surgem os encontros. No início, as rodovias Transamazônica e Belém-Brasília foram o itinerário principal, um motivo para a partida. Com o tempo, os incidentes e o acaso provocaram desvios sem fim. Inocentes paragens, novos caminhos e muitos retornos que estão marcados nesse mapa de lembranças e esquecimentos. Um caleidoscópio de imagens-históricas foi-se construindo, fazendo-se matéria e me abraçando ao fim de cada viagem. E é essa natureza (da vida) a minha estrada. Essa vida que migra para sempre, sem nunca mais voltar igual para qualquer parte (SAMPAIO, 2011).

Fontes:

BELÉM, Alexandre. Brasileiros – Paula Sampaio. In: Blog Revista Veja. 2014. Disponível em: <http://veja.abril.com.br/blog/sobre-imagens/brasileiros/paula-sampaio/>. Acesso em: 15 mar. 2014.

ITAÚ CULTURAL. Enciclopédia Itaú Cultural – Artes Visuais: Paula Sampaio. 2013. Disponível em: <http://www.itaucultural.org.br/aplicExternas/enciclopedia_ic/index.cfm?fuseac tion=artistas_biografia&cd_verbete=2988&cd_idioma=28555&cd_item=1>. Acesso em 06 mar. 2014.

PENAFORTE, Shirley. Discursos e memória na fotografia de Paula Sampaio. Universidade da Amazônia, Amazônia. 2011. Disponível em: <http://www.unicentro.br/redemc/2011/conteudo /mc_artigos/Midia_Cidada_Penaforte.pdf>. Acesso em: 06 mar. 2014.

SAMPAIO, Paula. Paula Sampaio Bio. 2013. Disponível em: <http://paulasampaio.com.br/ bio/>. Acesso em: 06 mar. 2014.

SAMPAIO, Paula. Paula Sampaio Currículo Vitae. 2012. Disponível em: <http://paulasampaio. com.br/wp-content/uploads/2012/10/CURR%C3%8DCULO-VITAE-de-Paula-Sampaio1.pdf>. Acesso em: 06 mar. 2014.

SAMPAIO, Paula. Paula Sampaio Ensaio – Refúgios. 2006. Disponível em: <http://paulasampaio. com.br/projetos/refugio/>. Acesso em: 06 mar. 2014.

SAMPAIO, Paula. Paula Sampaio Projeto – Antônios e Cândidas têm sonhos de sorte. 2005. Disponível em: <http://paulasampaio.com.br/projetos/antonios-e-candidas-tem-sonhos-de-sorte-2/>. Acesso em: 06 mar. 2014.

 SAMPAIO, Paula. Paula Sampaio Projeto – O Lago do Esquecimento. 2012. Disponível em: <http://paulasampaio.com.br/projetos/lago-do-esquecimento/>. Acesso em: 06 mar. 2014.

 SAMPAIO, Paula. Paula Sampaio Série – Nau Frágil. 2009. Disponível em: <http://paulasampaio. com.br/projetos/nau-fragil/>. Acesso em: 06 mar. 2014.

 SAMPAIO, Paula. Paula Sampaio Série – Nós. 2006. Disponível em: <http://paulasampaio.com.br/ projetos/nos/>. Acesso em: 06 mar. 2014.

Fotógrafa Paula Sampaio

Fotógrafa Paula Sampaio

 

Fotógrafa Paula Sampaio

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sem Título. O Lago do Esquecimento. Lago do Tucuruí – PA, 2011.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sem título. Fronteiras. Rodovia Transamazônica, 1994.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sem título. Fronteiras. Acaulândia, Belém-Brasília, 1998.

 

 

 

 

 

 

 

 

Sem título. Fronteiras. Rodovia Belém-Brasília, 1997.

 

 

 

 

 

 

 

 

Sem título. Fronteiras. Rodovia Belém-Brasília, 1997.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sem Título. Antônios e Cândidas têm sonhos de sorte. Rodovia Transamazônica, 1997.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sem Título. Refúgio. Comunidade Bailique, Oreias do Pará – PA, 2003.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sem Título. Nós. Rio Môa – AC, 2004.

 

Esta entrada foi publicada em Homenagens. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *