Gisèle Freund: teoria e prática na fotografia

por Alexandre Torres, Jose Antônio Câmara, Rautemberg Nóbrega e Samara Fontenele

Fotojornalista alemã, famosa por sua fotografia documental e retratos de escritores e artistas cujas suas maiores contribuições à fotografia incluem a fotografia como reportagem documental e sua experiências precoce com os filmes Kodachrome e Agfacolor de 35 mm, o que lhe permitiu desenvolver um “estilo retratista excepcionalmente sincero” que a distingue na fotografia do século XX.

01
Gisèle Freund, 1950

Freund nasceu em uma família de comerciante têxtil em 19 de dezembro de 1908, filha de Julius e Clara (nee Dressel) Freund, um casal judeu rico no distrito de Schoneberg, Berlim. Seu pai, Julius Freund, era um colecionador de arte com interesse no trabalho do fotógrafo Karl Blossfeldt , cujos estudos explorava close-up e as formas de objetos naturais. Foi Julius que comprou para a filha sua primeira câmera, uma Voigtlander 6X9 em 1925 e uma Leica como um presente para sua formatura, em 1929.

Em 1931, Freund estudou Sociologia e História da Arte na Albert-Ludwigs-Universität Freiburg, Alemanha; e, 1932-1933, ela estudou no Instituto de Ciências Sociais, da Universidade de Frankfurt. Na universidade, ela tornou-se um membro ativo de um grupo socialista e estava determinada a usar a fotografia como parte integrante de sua prática socialista. Um de suas primeiros trabalhos foi em 1 de maio de 1932, “mostra uma recente marcha de estudantes anti-fascistas” que tinha sido “regularmente atacados por grupos nazistas”. As fotos mostram Walter Benjamin, um bom amigo de Freund e Bertolt Brecht.

02
Walter Benjamin, 1933.

Em março de 1933, um mês depois de Adolf Hitler subir ao poder na Alemanha, Walter Benjamin fugiu para Paris em 30 de maio, Freund o seguiu, pois ela era ao mesmo tempo um ativista socialista e judia. Ela fugiu para Paris com seus negativos amarrado em torno de seu corpo para passar pelos guardas de fronteira. Gisèle Freund e Walter Benjamin continuaram sua amizade em Paris, quando ela fez a famosa fotografia de Benjamin lendo na Biblioteca Nacional. Ambos estudaram e escreveu sobre arte nos séculos XIX e XX, Freund continuou seus estudos na Universidade de Sorbonne, França.

03
Jean Paul Sartre.

Em 1935, André Malraux convidou Freund para documentar o Primeiro Congresso Internacional em Defesa da Cultura, em Paris, onde ela foi apresentada e, posteriormente, fotografou muitos dos artistas notáveis franceses da época. Freund fez amizade com os parceiros famosos da literatura, Sylvia Beach de Shakespeare and Company, e Adrienne Monnier da Maison des Amis des Livres. Em 1935, Monnier arranjou um casamento de conveniência para Freund com Pierre Blum para que Freund podesse obter um visto para permanecer na França legalmente.

Freund terminou seu Ph.D. em Sociologia e Arte na Sorbonne, em 1936, e Monnier publicou a tese de doutorado como “A fotografia na França no século XIX”, sob o selo La Maison des Amis des Livres.

04
Simone de Beauvoir.

Monnier apresentou Freund para os artistas e escritores. Mais tarde naquele ano, Freunde se tornou famosa internacionalmente com seu ensaio fotojornalístico, “Northern England”, que foi publicado na revista Life em 14 de dezembro de 1936 e mostrava os efeitos da depressão na Inglaterra. Até o momento nenhuma revista na França publicava fotografias a cores, por isso Freund trabalhou com a revista Life, uma das primeiras revistas coloridas.

Em 1938, Monnier sugeriu que Freund fotografasse James Joyce para seu próximo lançamento, o livro Finnegans Wake. Joyce, que não gostava de ser fotografado, convidou Freunde para o seu apartamento de Paris para uma exibição privada do seu trabalho anterior. Ele ficou impressionado o suficiente pelo trabalho de Freund para permitir que ela fotografasse e, ao longo de um período de três dias, ela capturou os retratos mais íntimos de Joyce durante seu tempo em Paris.

05
James Joyce.

Em 10 de junho de 1940, com a invasão nazista de Paris se aproximando, Freund escapou de Paris para França Livre na Dordogne. Seu marido por conveniência, Pierre, tinha sido capturado pelos nazistas e enviado para um campo de prisioneiros. Ele conseguiu escapar e se reuniu com Freund antes de voltar a Paris para lutar na Resistência. Como a esposa de um prisioneiro fugitivo, judia e socialista, Freund “temia por sua vida.”

Em 1942, com a ajuda de André Malraux , Freund fugiu para Buenos Aires, Argentina, a convite de Victoria Ocampo, diretor da revista Sur. Ocampo estava no centro da elite intelectual argentina e através dela Freund conheceu e fotografou muitos grandes escritores e artistas, como Jorge Luis Borges e Pablo Neruda.

Enquanto morava na Argentina, Freund começou uma editora chamada Ediciones Victoria. Ela disse: “Na realidade, eu comecei esta editora para o governo de De Gaulle, no exílio, onde eu estava trabalhando para Ministério da Informação, voluntariamente, sem pagamento”. Ela também fundou um comitê de auxilio para artistas franceses e torna-se um porta-voz da France Livre.

06
Eva Duarte Perón.

Em 1947, Freund assinou um contrato com a Magnum Photos como um contribuinte da América Latina, mas em 1954, ela foi declarada persona non grata pelo governo dos Estados Unidos no auge da Red Scare por causa de seus pontos de vista socialistas e Robert Capa forçou-a a romper os laços com Magnum.

Em 1950, uma de suas fotos de um Eva Perón cheia de joias foi para revista Life, o que causou uma comoção diplomática entre os Estados Unidos e Argentina e perturbou muitos dos simpatizantes de Peron pois as fotografias foi contra a linha rígida do partido oficial; Life Magazine foi banida na Argentina e, mais uma vez, Freund teve que fugir de um país com seus negativos. Ela se mudou para o México e se tornou amigo de Diego Rivera, Frida Kahlo, Alfaro Siqueiros e Jose Luis Orozco . Em 1953, ela se mudou de volta para Paris permanentemente.

07
Frida Kahlo no jardim da Casa Azul.

Sobre a vida de sua carreira, ela participou de mais de 80 missões fotojornalismo, principalmente para a revista Life e Time Magazine, também The Sunday Times (Londres), Vu, Picture Post, Weekly Illustrated e Paris-Match, entre outros. A partir da década de 1960, Freunde continuou a escrever e sua reputação como uma importante fotógrafa de retratos crescia a cada exposição. Ela é hoje exaltada como uma das melhores retratistas do século XX: após sua morte, o presidente Jacques Chirac elogiou-a como “uma dos maiores fotógrafas do mundo”. Publicou mais de 14 livros. Faleceu em Paris, em 31 de março de 2000.

*Trabalho desenvolvido na disciplina História da Fotografia, ministrada pela Profa. Ms. Julianna Torezani, em 2015.1.

*Alunos do 1o. Módulo do Curso Superior Tecnológico em Fotografia.

Esta entrada foi publicada em Atividades dos alunos. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *