Católica sedia seminário regional da Campanha Direitos Valem Mais

Pernambuco recebeu na noite desta segunda-feira (10 de setembro), o seminário regional da Campanha Direitos Valem Mais, Não aos Cortes Sociais, promovida pela Coalizão Anti-austeridade e pela revogação da Emenda Constitucional 95, que diminuiu o dinheiro para a saúde e educação pública e de outras políticas sociais por 20 anos, tornando inviável a garantia de vários direitos, penalizando ainda mais crianças, adolescentes, jovens, mulheres e idosos. A atividade foi realizada no Auditório Dom Helder Camara, na Universidade Católica de Pernambuco (Unicap) e reuniu representantes de instituições da sociedade civil e estudantes.

As palestras foram realizadas por Pedro Rossi, professor de economia da Universidade de Campinas (Unicamp), e membro da Sociedade Brasileira de Economia Política, e Mônica Oliveira, da ONG Fase e integrante da Rede de Mulheres Negras de Pernambuco. O debate foi centrado na discussão sobre os impactos da política econômica de austeridade, que tem se traduzido em cortes nas políticas sociais no atual governo. Em Pernambuco o seminário foi promovido pela Plataforma Dhesca Brasil e Fundação Rosa Luxemburgo, com parceria da Unicap, Cendhec, Gajop, Action Aid e Campanha Nacional pelo Direito à Educação.

Acompanhe a galeria de fotos:

AUSTERIDADE

Pedro Rossi apresentou as discussões sobre vários temas econômicos numa relação próxima com o cotidiano das pessoas, mostrando o quanto tem de política por detrás da economia. Citou que a austeridade é um dos pilares do neoliberalismo e que está levando país ao colapso nas áreas sociais. Destacou como a campanha Direitos Valem Mais vem debatendo as questões econômicas num linguajar mais claro para a população. “É preciso dizer que a economia não é uma questão tecnocrata. As pessoas têm que discutir economia porque, no fundo, elas estarão discutindo interesses, políticas. E isso tem impacto na vida cotidiana”.

O professor também destacou o quanto esses cortes no orçamento têm prejudicado umas pessoas mais do que outras. E com isso como se torna mais clara a desigualdade social. “O recente período de austeridade econômica que o estado brasileiro está
vivendo tem várias características. É seletivo (porque tem prejudicado a população mais pobre). É machista (porque tem prejudicado mais as mulheres). É racista (porque prejudica a população negra, maiores vítimas da violência no subúrbio e com pior inserção no mercado trabalho). Além disso, tem degradado o meio ambiente.”

POPULAÇÃO NEGRA

Mônica Oliveira fez uma abordagem sobre como essas políticas de austeridade tem impactado na vida cotidiana das mulheres negras e da população negra de uma maneira geral. Segundo ela, os rebatimentos acontecem praticamente em todas as áreas de políticas sociais. “Há graves impactos no acesso ao mercado de trabalho, no aumento do desemprego, da informalidade e da precarização das relações de trabalho. Além disso, tivemos cortes profundos em políticas muito significativas para as mulheres negras, como as de enfrentamento à violência e as políticas de assistência a mulheres em situação de violência. Temos também equipamentos públicos dilapidados, além de falta de recursos para investir em manutenção, tanto dos equipamentos quanto das equipes profissionais.”

Mônica destacou também um aumento muito significativo nos índices dos assassinatos de mulheres negras e de jovens negros. E tudo isso está situado nesse contexto de cortes. “Na saúde, tivemos a redução dos investimentos nesses serviços, que fazem as mulheres terem o ônus maior. É ela que cuida de crianças quando não tem creche e que cuida de idosos e doentes porque o SUS não atende. É um conjunto de impactos que recai fortemente sobre as mulheres, especialmente com as mulheres negras, que vivem em condições mais precárias.”

SOBRE A CAMPANHA

A Campanha Direitos Valem Mais, Não aos Cortes Sociais foi lançada em março deste ano no Fórum Social Mundial (FSM), realizado em Salvador (BA). Conta com o desenvolvimento de mais de 50 entidades e busca estimular o debate público sobre os impactos negativos da chamada política econômica de austeridade no cotidiano da população e articular um conjunto de ações destinadas a dar fim a Emenda do Teto dos Gastos Sociais.

Recentemente, a campanha Direitos Valem Mais elaborou um documento Político às Eleições 2018. Com o título “A ECONOMIA TEM QUE MUDAR: Não aguentamos mais tantos retrocessos. Basta de destruição!”, a Coalizão vem alertar que o país se
encontra à beira de um colapso nas áreas sociais e manifestar à sociedade brasileira e às candidatas e aos candidatos que participam do processo eleitoral 2018 a urgência da mudança do rumo da economia no país.

Conheça mais a campanha Direitos Valem Mais: http://direitosvalemmais.org.br/

print

Compartilhe:

Deixe um comentário