Ex-aluna de Direito da Unicap aprovada em doutorado na França

Fotos: acervo pessoal

A ex-aluna do curso de Direito da Unicap, Natália Buenos Aires, foi aprovada para fazer doutorado em uma das universidades mais antigas da França. Fundada em 1431, a Université de Poitiers tem entre seus ex-alunos ilustres os filósofos Francis Bacon e René Descartes. Em entrevista ao Boletim Unicap, Natália conta que a paixão por Filosofia surgiu ainda no Ensino Médio e seu interesse pela obra de Nietzsche ficou ainda maior durante Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic). o relato dessa trajetória que envolve amor à pesquisa, dedicação e muito, muito estudo você acompanha logo abaixo.

Boletim Unicap – Você enquanto ex-aluna do curso de Direito foi aprovada em dois programas de mestrados na área de Filosofia, como surgiu seu interesse pela área? Ainda na graduação? Você fez PIBIC?

Natália Buenos Aires – Meu interesse pela filosofia teve origem antes mesmo da graduação, uma vez que tal área de estudo me foi apresentada ainda no ensino médio. Apesar da pouca da idade sentia que a filosofia abria novas possibilidades e maneiras de olhar o que me cercava, tal fato para mim era incrível, mesmo que eu não entendesse muito o que lia devido à sua complexidade. Nessa época o material que a mim era disponível limitava-se à livros básicos de ensino médio, não tinha acesso a livros específicos, mas sempre comprava revistas dessa área e via vídeos no Youtube. Durante a graduação do curso de Direito, pude ter acesso à livros específicos, continuei meus estudos na área da filosofia, me aperfeiçoando cada vez mais, com isso participei de três PIBICs, no último deles tendo atingido nota dez, todos dedicados à essa área. Fui monitora da matéria “Filosofia do Direito” durante três semestres, e além disso fiz diversas comunicações em congressos. Aliado às atividades citadas, estudei idiomas como francês e alemão, muito importantes para o aprofundamento no filósofo que me especializo (Nietzsche). Já nos últimos períodos do curso estava focada na construção do projeto de pesquisa, na preparação para a prova de idiomas e posteriormente o estudo para a prova de conhecimentos. Com o término do curso pude participar de duas seleções de mestrado em Filosofia, e obtive aprovação e classificação nos primeiros lugares tanto da UFPE (3º lugar) como da UFPR (4º lugar).

B.U- Ainda no mestrado, você foi aprovada em um programa de Doutorado na França. Como foi esse processo?

N.B.A – O processo seletivo de mestrado e doutorado na França acontece de modo um pouco distinto do que temos aqui no Brasil. A primeira “fase” diz respeito à obter uma aprovação do orientador chamado na França de “Directeur de Thèse”, para isso entrei em contato, por conta própria, com um professor que é especialista na grande área da qual minha pesquisa se insere, e o mesmo me solicitou um dossiê de candidatura composto por um projeto de pesquisa, meu currículo vitae e uma carta de motivação, para que pudesse me dizer se tinha interesse ou não em me orientar. Fiz o que me foi solicitado durante alguns meses, estando ainda no início do meu mestrado, após alguns dias do envio do dossiê, recebi um e-mail no qual o professor afirmou o seu interesse em ser orientador do meu projeto. Em seguida fiz uma entrevista via Skype (de modo similar às que acontecem durante as seleções de pós-graduação daqui do Brasil), e após alguns dias recebi o seu aceite definitivo. Recentemente, a Université de Poitiers me enviou uma atestação de admissão no doutorado, tendo em vista que estou em fase de encerramento do meu mestrado, um semestre antes do “normal”, para que eu possa cursar o doutorado.

B.U- O que representa para você essa trajetória?

N.B.A – Essa trajetória representa para mim etapas da concretização de um sonho. Desde muito jovem sinto uma forte ligação com a filosofia, e sempre persisti para que pudesse aprender cada vez mais e alcançar meus objetivos. Me sinto especialmente feliz por ter acreditado em mim mesma e na minha capacidade, pois hoje vejo que cada momento que passei, o que inclui as dificuldades, me propiciou a oportunidade de alcançar vitoriosamente cada etapa. No tocante ao presente momento, o fato de ser aprovada numa das universidades mais antigas da França confirma o resultado de muito empenho e força de vontade.

B.U- Qual a influência da Unicap na sua formação acadêmica?

N.B.A– A Unicap foi e é importante para mim em muitos aspectos, aqui posso elencar alguns deles. Foi a Unicap que me proporcionou a oportunidade de refinar meus conhecimentos, e agregar experiências acadêmicas como a participação nos PIBICs e nas monitorias. A própria atmosfera da Universidade propicia muita inspiração para os estudos, a Biblioteca especialmente nos oferta uma diversidade incrível de livros, lá passei vários momentos agradáveis. Os professores muitos qualificados, alguns deles me deram apoio e foram para mim inspiração para seguir o caminho acadêmico. Os amigos que aí pude conhecer sempre estiveram ao meu lado me apoiando, também evolvidos pelo amor à pesquisa. Os funcionários com os quais pude ter conversas prazerosas.

B.U- Que mensagem você daria aos jovens que têm interesse em seguir a vida acadêmica?

N.B.A – Para os que desejam seguir a vida acadêmica, o que posso dizer é que persistam e acreditem no que estudam, mesmo que algumas pessoas venham a criticar ou diminuir o seu esforço. Digo isso, pois por mais que estejamos empenhados sempre surgirão situações que colocarão à prova o que acreditamos. A vida acadêmica é difícil mas pode ser também muito gratificante, cabe a nós um empenho constante, o que inclui principalmente uma dedicação profunda aos estudos. Em termos acadêmicos ressalto a importância da participação de PIBICs, monitorias e afins, pois nos insere no campo da pesquisa.

print

Compartilhe:

Deixe um comentário