Estudantes de Tecnologias do Design fazem entrega preliminar de disciplina antes de workshop internacional

O Pavilhão Maker transformou-se em um verdadeiro laboratório de criatividade e inovação na manhã deste sábado (24). Sob a supervisão da professora Ana Luisa Rolim, da Católica, e do professor Victor Sardemberg, da Universidade de Hannover, que atuou remotamente da Alemanha, equipes formadas por alunos da pós-graduação em Tecnologias do Design apresentaram os resultados parciais dos projetos desenvolvidos na disciplina de Design paramétrico e biomimética. A próxima etapa, que será realizada em janeiro de 2021, deve resultar em um workshop internacional promovido no mês seguinte pela Unicap-Icam International School.

Pavilhão planejado pela equipe Reino Funghi

“A gente fez o primeiro módulo virtual e hoje foi o encerramento desse módulo com produto parcial, que foi a elaboração da ideia de um protótipo de um objeto arquitetônico usando os conceitos de biomimética e parametrização e aplicando ferra mentas da parametrização na execução”, destacou a professora Ana Luisa Rolim. A biomimética é uma área da ciência que tem como objetivo o estudo das estruturas biológicas. Já a parametrização envolve os parâmetros necessários na especificação de um modelo ou objeto geométrico. “Cada equipe apresentou um objeto e a gente ficou muito feliz porque viu esse processo e aplicação do que a disciplina pretendia”, completou.

Intitulado como “Reino Funghi”, o projeto apresentado pela equipe composta pelos estudantes Otávio Japiassú, Gabriela Meireles, Waltter Otto e Rodrigo Mathias propôs a construção de um pavilhão inspirado em organismos heterotróficos, multicelulares e unicelulares, popularmente conhecidos como fungos. O estudante Otávio Japiassú comentou que a equipe preferiu dar ênfase aos detalhes da estrutura interna dos cogumelos na realização do projeto do pavilhão. “Como a proposta da disciplina era trabalhar com arquitetura biomimética, a gente começou estudando cogumelo, mas partiu para o reino funghi, estudando como ele se comporta. E a partir disso, a gente estudou a malha de tecido interna. Nós focamos mais no detalhe das ramificações na estrutura interna do fungo”.

“A ideia da equipe foi, a partir de blocos de tijolos, criar um percurso e trabalhar com cheios e vazios que a gente encontrou dentro do padrão desses fungos”, contou Otávio. Os estudantes, para desenvolverem e executar o projeto do pavilhão, como é pedido pela disciplina, contarão com a parceria da ConcrEpoxi Artefatos, empresa parceria da Unicap-Icam especializada na fabricação de blocos de concreto. Antes da apresentação, todas as equipes imprimiram seus protótipos nas impressoras 3D do Fab Lab do Pavilhão Maker.

Impressoras 3D da Unicap-Icam foram utilizadas pelas equipes, como a do projeto do grupo Que erre

Já a equipe formada pelos estudantes Maria Julia, Vinícius Lemos, Fernando Fontanella e Kátia Jordão apresentaram o protótipo Que erre. “Nossa equipe, inicialmente, optou pela ideia da bolha e aí a gente pensou em como já foi usado essa ideia na arquitetura. Nós tentamos fugir da ideia da forma da bolha como o edificado”, comentou Maria Julia. “A partir daí que optamos pela ideia da bolha como o oposto, dela ser o que delimita o espaço de passagem. Quando a gente projeta, a gente projeta o que é físico, o que é fixo, mas também o espaço vazio, o espaço de passagem”.

“Foi muito isso com essa ideia da bolha. Encontramos esses fungos, leveduras, que atuam nos queijos suíços e a gente descobriu que o que faz a bola do queijo suíço é justamente essa expansão desses fungos que criam esses espaços vazios”, disse Maria Julia, ao comentar da inspiração do grupo.

O grupo formado por Celso Salles, Juliana Rabello, Letícia Falcão e Lilian Oliveira desenvolveu o protótipo Microbunkerhouse ou um templo para o autoisolamento. O projeto partiu da reflexão atual provocada pela pandemia do novo coronavírus e foi inspirando em um cupinzeiro. “Nós fizemos uma revisão do conceito do trabalho que a gente já vinha desenvolvendo nas aulas remotas anteriores. Nós sentíamos falta de contextualizar essa proposta com esse momento que a gente está vivendo: as implicações da pandemia na vida profissional, pessoal, familiar e a repercussão disso no curso”, comentou Celso Salles.

“Nós tínhamos uma série de inquietações de tudo isso que está passando e a gente quis colocar isso na proposta. Não foi simplesmente um projeto que ficasse na proposta técnica, formal, mas que ele falasse muito mais nas sensações que estamos vivendo nesse momento”, disse sobre o bunker. Segundo Celso, o protótipo acabou virando mais um objeto artístico, uma reflexão sobre o ser humano nesse momento da pandemia, do que somente um artefato técnico.

Visão superior do projeto da bunkerhouse

“A ideia do bunker é uma reflexão como a casa, a nossa casa, está funcionando nesse período de pandemia. A gente se isolou dentro de nossas casas e a fizemos de bunker. É um local onde a gente está abrigado, protegido por uma grande muralha de proteção, onde existe um controle de acesso de pessoas, de artefatos, tudo que passa por essa muralha precisa de uma higienização”, explicou. “É como se o mundo externo tivesse virado uma grande ameaça e a gente encontrou nesse núcleo doméstico essa proteção, esse abrigo”.

Fechamento preliminar – A coordenadora da pós-graduação em Tecnologias do Design, a professora Clarissa Duarte, destacou que a aula do sábado foi um momento bem especial, marcando o Pavilhão Maker como um espaço de criação na universidade. “De fato, os alunos no momento remoto demandaram muito esse contato mais próximo dos professores. E essa experiência de hoje prova para a gente como esse ecossistema universitário é importante para imersão da criatividade, na especulação, na troca de ideias”.

“O ambiente remoto nos sujeita a várias interrupções, outros eventos ao nosso redor, sejam eles familiares, do contexto geral, outras demandas pessoais que raramente a gente consegue, por mais interesse que nós tenhamos, estar imerso no momento do ensino”, pontuou. “Quando a gente vem para o presencial, sobretudo no ambiente muito qualitativo, como é caso do Pavilhão Maker, da escola internacional, realmente é muito mais enriquecedor, isso foi não só visível como foi dito pelos alunos no dia de hoje”.

print

Compartilhe:

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.