Análise de Dados e Assistentes Virtuais na pauta do TDC 2019

O primeiro dia do The Developer´s Conference Recife 2019 registrou um intenso movimento no campus da Universidade Católica de Pernambuco. De acordo com a organziação do evento, foram inscritos cerca de 3.400 participantes. Gente que se revezou entre visitas aos stands montados no pavilhão localizado no estacionamento dos alunos e as palestras e workshops no bloco G.

Quem começou a programação da tarde no auditório G2 foi o cientista de dados Gerson Vasconcelos, da empresa mineira Hotmart que desenvolve um ecossistema par venda de produtos online. A plataforma tem dois milhões de usuários em mais de 180 países e cinco milhões de compradores. A desenvolvedora já comercializou mais de 150 mil produtos. Gerson explicou que o modelo de negócio da Hotmart é norteado pela análise de dados. “No mundo de hoje não há mais espaços para tomar decisões erradas e nem com base em achismos”.

Gerson demonstrou a importância da análise de dados usando como exemplo a aplicação no futebol. No primeiro caso, ele analisou tendências de gol no Campeonato Brasileiro em dois períodos: 1989 a 2002 e de 2003 a 2018, quando funcionaram regulamentos diferentes. A hipótese a ser testada era a de saber se as mudanças no regulamento interferiram na média de gols. “Muito tiozão mais velho costuma dizer que no tempo dele havia mais gols, aí resolvi aplicar a análise de dados para checar se isso é verdade”, explicou Gerson. O modelo aplicado revelou que o segundo período analisado apresentou uma média de gols maior do que o anterior. Outro tabu desmitificado foi o de que time que joga em casa tem vantagem na Copa do Brasil. Gerson analisou dados da edição 2018 do torneio aplicando o modelo Quaisi-poisson e constatou que jogar em casa não interferiu no número de gols.

Enquanto isso, nas salas do 2º andar do bloco G, os participantes do TDC acompanhavam workshops sobre Data Science, Devops, Testes, Mobile, Análise de Negócios, Transformação Digital e Inovação e Acessibilidade. Este último tema foi abordado pelos pesquisadores Marcelo Penha e Walter Correia. Eles desenvolvem um estudo que analisa os assistentes virtuais (acionado por comando de voz) dos smartphones. O chamado Projeto Samsung é fruto de parceria entre o Centro de Informática (Cin) da UFPE, a fabricante de celulares e a Sidi, instituto voltado para o desenvolvimento de soluções e serviços digitais, localizada em Campinas – SP.

Os AVs são aplicativos inteligentes capazes de responder e executar comandos de usuários por meio de comandos de voz ou textos. Bixby (Samsung), Google Assistant (Android), Watson (IBM), Alexa (Amazon), Cortana (Microsoft) e Siri (Apple) são os mais conhecidos.  O estudo observou a acessibilidade de alguns desses AV´s e como eles se relacionam com as pessoas com deficiência (PCD).

“Buscamos em artigos acadêmicos material que tratasse da temática e se eles traziam relevãncia nesse cruzamento AV´s e PCD. Como não encontramos nada relevante, a gente partiu para executar testes com usuários com deficiências motoras nos mebros superiores e com dificuldade em interagir com toque na tela para ver se os assitentes iriam de fato facilitar esse processo de interação”, explicou Marcelo.

Ainda de acordo com o estudo, em tarefas mais simples o assistente virtual ajudou bastante por serem intuitivos, de fácil aprendizagem e de redução na carga de trabalho. No entanto, alguns pontos precisam melhorra já que houve dificuldade em interagir com outros aplicativos, retornos diferentes para a mesma solicitação ou até antes do término da solicitação.

print
Compartilhe:

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.