“AJUDE”: Campanha solidária realizada pelo Instituto Humanitas da Unicap e a Fasa beneficia cerca de 50 Famílias de Rio Formoso

Desconfiança, medo, preconceito, rejeição, desemprego, pouca produtividade e muita pobreza. Essas palavras estão cada vez mais presentes na vida dos pescadores do município de Rio Formoso, na zona da Mata Sul, a 88 km do Recife. Desde o fim do mês de agosto quando ocorreram os primeiros registros do derrame do óleo  nas praias do nordeste, o comércio de peixes e frutos do mar na região apresentou um queda significativa. Com o intuito de amenizar os prejuízos causados pelo desastre ambiental, professores e alunos da Unicap realizaram uma ação que culminou na entregas de cestas básicas para mais de 50 famílias da região.

A ação começou com a campanha “AJUDE!” realizada pelo Instituto Humanitas da Unicap -IHU em parceria com Fundação Antônio dos Santos Abranches – FASA. A mobilização aconteceu durante  o mês de novembro e envolveu toda a comunidade acadêmica com três propósitos: colaborar com  o estudo cientifico na busca de respostas acerca do impacto ambiental causado nos peixe e nas pessoas que tiveram ou venham a ter contato com as águas contaminadas; divulgar as áreas que não foram atingidas pela substância;  e por fim, a doação das cestas básicas.

“Entramos em contato com alguns setores da Universidade e já estamos realizando pesquisas científicas sobre o impacto ambiental em relação à fauna e flora marinha. No que diz respeito à questão da divulgação das áreas que não foram atingidas, é  de responsabilidade do poder público. Por ultimo, tivemos mais uma resposta positiva e muito gratificante por parte dos funcionários, professores e alunos. É graças ao esforços de todos que hoje estamos aqui em Rio Formoso para entregar essas sextas básicas”, detalhou, gerente executiva da FASA, Izabel Oliveira.

O gesto consistiu, também, em atender ao apelo do Papa Francisco de fazer uma ação concreta no “DIA MUNDIAL DOS POBRES”, que será lembrado em 17 de novembro de 2019. A entrega das sextas básicas foi realizada pelas alunas e alunos da disciplina de Humanidade e Transcendência do curso de Serviço Social da Católica e teve a coordenação do professor do curso de Teologia e membro da Pastoral da Católica, José Arthur Brito.

Os estudantes visitaram a Colonia de Pescadores Z.07, onde entregaram os alimentos. Em seguida,  o grupo conheceu a “Vila  Unicap”, um conjunto de casa construídas através de projetos realizado pela Universidade Católica de Pernambuco. O momento foi marcado pela partilha dos pescadores, que relataram as dificuldades de conviver com a crise.

O primeiro relato veio do pescador, Moaçi Correia, que emocionado partilhou as dificuldades enfrentadas no dia dia pelos pescadores. “A situação que nós estamos passando é muito mais agressiva do que a quantidade de óleo que chegou às praias. Não é só a questão financeira, tem também o impacto psicológico, de chegar em casa e não ter o que comer, olhar para mar e ver que se tornou insustentável viver da pesca. É muito constrangedor você ouvir um companheiro dizer que antes vendia 200 cordas de caranguejo e hoje consegue vender apenas uma”, disse Moaçi.

 

O secretário da Colônia dos Pescadores do Município de Rio Formoso, Francisco de Assis, Chico, como gosta de ser chamado, destacou a importância da ação realizada pela Unicap, para ele o gesto praticado pelos alunos e professores da Católica renova as esperança da população e reforça a convicção de que não estão sozinhos. “É importante dizer que a vinda da Unicap beneficia não só a nós pescadores, como também, a nossos família e a toda região, de forma geral. O contato dos alunos e professores com a nossa realidade permite a realização de pesquisas que podem chamar a atenção do poder público para nossa população”, falou Chico.

A ação finalizou brincadeiras, músicas e muita diversão, em um encontro  realizado para mais de 100 crianças. “Apesar de tantos desafios, temos que manter a esperança sempre viva em nossos corações. E não existe lugar melhor para se falar em esperança do que na presença de tantas crianças. Fico muito honrado com a missão que a Universidade me confia. Poder estar em contato como a realidade dessa gente é Evangélico e revigorante.  Precisávamos, mesmo que com um pouco de antecedência, está em comunhão com a Igreja, com o Papa Francisco e como está ação, lembra daqueles que Jesus mais ama, os que mais sofrem”, finalizou José Arthur.

print
Compartilhe:

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.